Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Vila do Conde - em torno do Largo do Laranjal e do Convento do Carmo

* Victor Nogueira

No meio destas estreitas e sinuosas ruas do casco medieval o Largo do Laranjal, nas traseiras do antigo Convento do Carmo e perto da Viela dos Gatos e da Rua dos Prazeres,  é um pequeno desafogo, com cheiro a ruralidade campestre. Não têm laranjas as árvores que lhe dão sombra, ainda pequenas. e nos bancos ninguém está sentado. O verde e o branco  realçam-no no sombrio das ruas e das casas escuras que o rodeiam e cercam sem conseguirem asfixiá-lo. Um contraste com o pequeno largo (Dr Cunha Reis) onde se localiza a fachada principal, com árvores frondosas e um pequeno espelho de água que a brisa ondeia suavemente e na borda do qual pombas se passeiam indiferentes aos transeuntes. Ao lado, um dos Passos da Via Sacra, aquele em que Cristo de madeiro aos ombros e caído por terra é flagelado pelos soldados romanos. Sendo Cristo e os Apóstolos judeus e tendo ele sido condenado, flagelado e crucificado pelos agentes do Império Romano, estranho é que o ódio dos Cristãos fomentado pela Igreja de Roma não tenha sido direccionado para ... os Romanos.

A Rua de S. Bento e o Largo do Laranjal são duas das artérias, entre outras, que cada quatro anos são tradicionalmente atapetadas de flores pelos respectivos moradores, que guardam ciosamente os desenhos (motivos religiosos e marítimos) até à véspera da 5ª feira do Corpo de Deus.(mais em http://expresso.sapo.pt/blogues/bloguet_redeexpresso/blogue_povoa_semanario/vila-do-conde-tapetes-de-flores-de-quatro-em-quatro-anos=f518846)


(Largo do Laranjal - foto em http://www.rancho-da-praca.com/tapetes_flores/slides/Largo%20do%20Laranjal%202.html)

É pequeno, de modesta aparência, o Convento do Carmo (Casa Das Carmelitas Descalças), construído no ano de 1765 e onde após a extinção das Ordens Religiosas funcionou o Tribunal e presentemente está instalado Gabinete Técnico Local do Centro Histórico.Nas primeiras décadas do sec. XX eram grandiosas as festividades em honra da protectora dos marítimos.

Estranha é a forma do Largo Dr. Correia Reis, que na verdade se não circunscreve ao espaço fronteiro à fachada principal conventual, antes se prolonga sinuosamente até ao Cais das Lavandeiras, onde acostada está a réplica duma nau quinhentista, após mais um pequeno espaço ajardinado. Nele e defronte ao edifício duma Escola Primária (hoje Esquadra da PSP) encontra-se um pequeno fontanário revestido com painéis de azulejos  representando brincadeiras de crianças, denominado "Recreio Infantil"

 Rua de S. Bento









(Registo de Azulejos)



(vista da Rua dos Prazeres)






Capela de S. Bento (sec XVIII)

Largo do Laranjal













(Viela dos Gatos)




Largo Dr. Cunha Reis







  

(réplica da nau quinhentista)





(ao fundo a Viela dos Gatos)


   
   


  



(vista para a Capela do Socorro)


Rua dos Prazeres








 

7ª Estação da Via Sacra





















Viela dos Gatos







Outras













(Rancho da Praça Rendilheiras de Vila do Conde)


Acima uma actuação do Rancho das Rendilheiras da Praça de Vila do Conde, que teria sido fundado em 1920, quwndo não em 1915, cujas gravações pode obter gratuitamente em http://www.rancho-da-praca.com/paginas/musicas1_mp3.html.














Sem comentários: