Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 13 de março de 2012

Madalena Mendes ~~~ Um retrato a sépia - Valência



SÁBADO, 17 DE NOVEMBRO DE 2007


Toledo

Valência.
.

* Maria
.
Caríssimo Víctor

No fim-de-semana passado (partimos sexta e vimos no domingo: 10h de caminho para lá e para cá) fomos a Valência visitar a Dinah.

É só apanhar auto-estrada que vai para Elvas, ir sempre em frente, atravessar Portugal e Espanha de lés a lés, 1000km para lá, (1000km para cá), que vamos desembocar na Avenida del Cid (uma espécie de Avenida da República em Lisboa, se é possível fazer comparações) e estamos na casa da Dinah (a duas paragens de metro do Centro histórico e a 3 da Universidade em Burjassot).
.
Pelo caminho encontramos paisagem e mais paisagem - planície e mais planície, tanta planície em tons ocre dos quadros de Picasso [1], que nos parece enxergar bem mais longe no horizonte. O Tejo (em Espanha, Tajo) acompanha-nos durante algum tempo.
.
Se desviarmos para Toledo (a magnífica Toledo rodeada pelo Tejo e aqui regressamos à Idade Média) que foi o que fizemos na ida e na volta, deparamo-nos, por vezes com uma paisagem perigosamente próxima do deserto (foi lá que Sergio Leoni [2] filmou filmes de cowboys). O deserto de Atacama (no Chile), branco, em miragem de água onde não há água, vai emergindo aqui e acolá ao longo da paisagem ressequida.
.
A cidade de Valência, 3ª maior cidade de Espanha, é uma cidade interessante. O rio que a atravessava, o Turia, foi desviado e ao longo do leito do rio, por debaixo de inúmeras pontes (passámos por debaixo de umas 7 ou 8, antigas e modernas) construíram frondosos jardins, complexos desportivos e culturais que vão desembocar na Cidade das Artes e das Ciências (um esplendor arquitectónico da autoria de Santiago Calatrava) e no Mediterrâneo.
Para além de percorrermos o leito do rio até à magnífica Cidade das Artes e das Ciências, tivemos ainda tempo para visitar a Catedral de Valência e a Torre de Miguelete (vista panorâmica de toda a cidade) e as portas de Valência. E claro comer as famosas tapas (Batatas Bravas, Montaditos, Choricitos del Infierno, Sepia=choco, Calamares a la Romana, etc.) e beber Orchata, uma bebida típica. E visitar uns amigos (ele é arquitecto, ela actriz e mais seus 4 filhos - 10, 8, 4 anos e 1 de 9 meses) que vivem em frente à Cidade das Artes e das Ciências (uma espécie de Parque das Nações lá do sítio). Também aqui a arquitectura é interessante, há prédios que mais parecem cartas de jogar e outros lembram, de certo modo, as pirâmides do Egipto.
.
Valência é também uma cidade interessante pelo potencial multicultural e pela concentração de estudantes. A Dinah está envolta na aprendizagem da língua, no cultivo das amizades, na descoberta de outras culturas, na paixão pela genética.

Por ora é o que me apraz dizer do retrato a sepia que vos procurei transmitir.
.
Abraços saudosos
Madalena Mendes- sexta-feira, 16 de Novembro de 2007
.
ilustrações da responsabilidade de VN, retiradas da Internet - autores não identificados
________________
Siga as hiperligações para saber mais sobre Valência na Wikipedia ou «Aqui» e sobreToledo na Wikipedia ou em Spain Travel Guide .
.
(1) - Pablo Picasso : Le site officiel- Pablo Picasso official web site. His life, biography, paintings, sculptures and studios
On-line Picasso Project Homepage - Dedicated entirely to the Life and Works of the artist, including an extensive selection of his works, biographical and bibliographical references, news, ...
Pablo Picasso - Wikipedia, the free encyclopedia- Encyclopedia article covering the life, work of the Spanish painter. Includes a list of artworks and images.
.
(2) - Sergio Leone - Wikipedia, the free encyclopedia- In 2004 his son Andrea published a long treatment for a new film entitled A Place Only Mary Knows written by Sergio Leone, Luca Morsella and Fabio Toncelli. ...
Sergio Leone - Wikipedia - Sergio Leone (Roma, 3 gennaio 1929 – Roma, 30 aprile 1989) è stato un regista, sceneggiatore e produttore cinematografico italiano. ...

domingo, 11 de março de 2012

Quatro fotógrafos estrangeiros revelam a Guimarães "transgénica"




 Exposição

10.03.2012 - 23:32 Por Samuel Silva
 Um símbolo nacional cruzado com a realidade fabril do Vale do Ave
Um símbolo nacional cruzado com a realidade fabril do Vale do Ave (Imagem: Filipe Dujardin)


 A imagem do castelo-fábrica criada por Filipe Dujardin arrisca a tornar-se num dos ícones da Guimarães 2012. O fotógrafo belga olhou para o símbolo da nacionalidade tal como o conhecemos e manipulou-o digitalmente, cruzando-o com as fotografias das unidades industriais da região. Durante o último ano, outros três artistas estiveram no vale do Ave de máquina na mão para retratar a paisagem. O resultado é hoje dado a conhecer na exposição Missão fotográfica: Paisagem transgénica.

Dujardin esteve duas vezes em Guimarães. Viu o castelo, o Paço dos Duques e o centro histórico e lembrou-se de uma máxima que costuma aplicar: "Se é tudo perfeito, eu desconfio". Por isso decidiu desconstruir os monumentos, cruzando-os com aquilo que encontrou na periferia da cidade.

O fotógrafo belga levou a ideia de uma paisagem transgénica ao extremo, fazendo uso da edição digital. Mas este é o conceito-base desta exposição, usando a formulação que o geógrafo Álvaro Domingues aplica ao Vale do Ave. 

Este é um território em que urbano, rural e industrial se cruzam, com fronteiras pouco definidas. De tal modo que Katalin Deér se perdeu e acabou a fotografar Vizela e Santo Tirso.

"Tive que apreender a forma como as coisas se fazem aqui", confessa a fotógrafa norte-americana, radicada na Suíça. A artista fotografou em 35mm: fábricas, casas, torres de quartéis de bombeiros. E escolheu 60 fotografias, que estão dispostas sobre tampos de mesas recuperados da antiga fábrica ASA. 

A estes dois fotógrafos juntam-se ainda o sueco JH Engstrom (que retrata Guimarães em sequências de polaroids danificadas e imagens bucólicas de cores saturadas) e o italiano Guido Guidi (fotografias de médio e grande formato, concentradas em pormenores das construções).

No âmbito do projecto Missão fotográfica: Paisagem transgénica, da Guimarães 2012, os quatro artistas estiveram em residência artística no concelho durante 2011. Nenhum deles tinha trabalhado antes em Portugal e esse "foi um dos critérios de escolha", conta Pedro Bandeira, que partilha com Paulo Catrica a curadoria do projecto, de modo a garantir um olhar descomprometido. A encomenda aos fotógrafos partia da arquitectura, mas não de um ponto de vista "erudito". "Queríamos um olhar muito honesto em relação ao que existe, transmitindo a ideia de um território que não é só construído por arquitectos", conta Bandeira.

A exposição é inaugurada às 18h, no Centro Cultural Vila Flor, onde fica até 19 de Maio. O dia de hoje na Capital da Cultura vai ainda ficar marcado pela abertura da antiga fábrica têxtil ASA, reconvertida em espaço cultural. Nas áreas expositivas serão inauguradas duas mostras do programa de Arte e Arquitectura - O ser urbano: Nos caminhos de Nuno Portas; e Collecting, collections and concepts, com obras de empresas e fundações portuguesas.

Auto-retratos ao escorrer dos dias