Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

domingo, 24 de julho de 2011

Happy birthday Marilyn Monroe



.
Carregado por  em 31 de Mai de 2011
Today would've been Marilyn Monroe's 85th birthday ♥
.
.

.

Carregado por  em 26 de Mai de 2010
This is a video for 1st june
Music by Richard Clayderman - I will Always Love You
.
.
.
Carregado por  em 1 de Jun de 2011
Tribute to Marilyn Monroe 85 years after her birth on June 1, 1926
.
.

.
Carregado por  em 25 de Mar de 2011
.
.
.
Carregado por  em 1 de Jun de 2008
Just paying a little tribute to Marilyn on her birthday, using Frankie Avalon's "Venus". I played around with the effects again and love the outcome. Hope you all enjoy it too!

sábado, 23 de julho de 2011

Which photographers do the professionals themselves most admire?


Inside Story: News photojournalism

In the savagely competitive world of news photojournalism, which photographers do the professionals themselves most admire?

Interviews by Sophie Morris
Monday, 13 March 2006
    •  A LARGE
 
JOHN GILES, PRESS ASSOCIATION
Ben Curtis works for Associated Press in Africa and he's won the World Press Awards this year with his picture essay on the elections in Togo.
He works all over Africa and was very badly beaten up a year ago but bounced back from it. Africa suits him down to the ground. He's gung-ho but not in a brazen or an aggressive way, he's just indifferent to risk - and always gets his picture.
In any big story you try to encapsulate the whole story in one picture if you can. Ben's good at that, he has a good eye and he'll graft at it until he gets what he needs. He's young but he's going to do really well.
CHRIS HARRIS, THE TIMES
When I started on The Times 25 years ago, Brian Harris was very inspirational. He mastered the use of the wide-angle lens, looked at things laterally, and gave a different perspective on news photography. I did the miners strike with him, one of my first big stories for The Times, and he taught me a lot. I remember one of his photos in particular, of a prison riot maybe 20 years ago. There was a line of policemen with riot shields behind a bus stop made of corrugated plastic, which altered the shapes of the policemen, and it looked incredible. It was a surreal image, within a tense, very real situation. He saw that and no one else did.
Brian went to The Independent when it started in 1987, and was a major force in how fantastic the paper looked when it first came out.
PETE NICHOLLS, THE TIMES
Fleet Street is very formulaic now but there's always a nice surprise with Sean Smith. It's become hard to get something new in Iraq and he did an embed with the Americans last year and got a terrific set of pictures. They had taken some prisoners and cuffed them and marched them across the desert and Sean's recalling of that was awesome.
Awesome is an over-used word, but in the truest sense of the word it was great stuff. He should be a role model for young photographers and I certainly look at him in that way. He makes me think I should be doing a milk round rather than taking pictures.
IAN JONES, THE DAILY TELEGRAPH
There are a number of news photographers producing very high quality work today. We are very lucky in Britain; we consistently produce excellent photographers who take top quality images. This is a very competitive industry, which helps to push the creative boundaries of the photographer not just looking for the obvious, but for something different and inventive.
Tom Stoddart is probably the best news and reportage photographer of recent years. His work in areas such as famine-struck Africa, Bosnia and Iraq is sensational, and few photographers around the world can come close to his standard.
TOM PILSTON, THE INDEPENDENT
"These days there is lot of clever trickery but there's nothing like that with Sean Smith. There's intelligence about the situation behind the picture and I think that's rarer than it was. In conflict areas you've got to be sensitive to how things work on the ground and also to who you are photographing.
There are two different communities in areas like Iraq and Kosovo, and you've got to be wise in how you deal with people and get to the pictures. Other photographers do very stylised pictures which are good, but Sean has the edge because he conveys more about the people he's photographing. With people like Sean, Andrew Chester on the New York Times and Martin Godwin on The Guardian there's a line you can trace back to great photographers like Don McCullin.
ADRIAN DENNIS, AGENCE FRANCE PRESSE
There are a lot of so-called press photographers who shout and bawl at their subject while pressing the button. Some of these buffoons get a lot more media attention than the genuine photographers.
I work with Odd Andersen, one of AFP's chief photographers. He has won much acclaim for his work during the wars in Iraq and Bosnia and from the Israeli-Palestinian conflict. But what amazes me is his motivation to photograph any assignment, from working at film premieres and football matches to political features. He has dedication for the job.
JEREMY SELWYN, LONDON EVENING STANDARD
After about 37 years on the Daily Mirror Alisdair MacDonald was made redundant a couple of years ago but since then he's made a name for himself as a freelance, photographing things in London. He's a "thinking photographer" and that's why I like him.
He travels around London by bus and Tube and appears everywhere at the drop of a hat. He's proved that being a freelance doesn't mean going on an assignment from a picture desk - he goes out himself and whether it's the Thames drying up or Big Ben looking dirty, he finds his own stories.
He's over 60 but his enthusiasm never tires which is amazing after all these years.
TOBY MELVILLE, REUTERS
Murdo's MacLeod's got a lovely eye and he can get his subjects to do things others can't. He's very good at covering politicians and party conferences and always comes out with nicely lit and composed pictures. He's got a strong news sense, but I like him because his news portraits and news features are so strong, rather than just being a good doorstep merchant as some news photographers are.
I'll always remember a portrait he did of Roy Keane shortly after he had quit playing for Ireland - a lovely lit portrait of Keane looking menacing as he does, but he had used a crow's skull with Roy Keane looking through the beak of the skull. It was a very arresting picture.
DYLAN MARTINEZ, REUTERS
Jeremy Selwyn is one of the best news photographers in the country. He has an uncanny knack of always being in the right place at the right time and I guess his art is capturing the essence of a story in a single image.
He pretends to be very silly sometimes, bumbling along, but he's always there for the picture. He just has a knowledge of the story and what is needed for a newspaper.
The picture that stands out is Lord Heath and Margaret Thatcher at the Tory conference a couple of years ago looking at their watches. They were seen together for the first time in years and it's a very amusing picture of people who obviously hate each other. It seems to tell the whole story in that one picture."
SEAN SMITH, THE GUARDIAN
Jeremy Selwyn always seems to get a good picture effortlessly. He's like a duck with his legs going mad under water, but you can't see anything moving. He's very laid back.
There's one of Tony Blair and Gordon Brown having a walk. It was very unusual, a wide picture, and you got a sense of where they were. It sounds like something that could make a nice picture but doesn't, but he just got something that worked very well.
Jeff Moore used to work for National news agency but now he's taking everyone on and winning. He'll take a picture that maybe 40 people are waiting for that seems deceptively simple, but his will stand out.
FIONA HANSON, PRESS ASSOCIATION
It's hard to pick someone out, but John Giles, who works up north, is fantastic and everybody admires him. He's always got the right lens in the right place at the right time. He is very skilled, and can point his camera at anything and come out with a belter. He has that perfect synthesis of technical skill and empathy with the subject. He's just an excellent photographer.
ANDREW PARSONS, PRESS ASSOCIATION
Peter Macdiarmid always looks for anything different. Some of his pictures make you think, 'Wow, how did he get to that?' The stuff he can get from hard news stories, some of which last only a few minutes picture-wise, is an inspiration. His technical knowledge astounds me. You quietly observe and learn from him.
DAVID SANDISON, THE INDEPENDENT
It's difficult to choose, but Adrian Dennis who works for Agence France Presse is a fine photographer. He goes to assignments and comes away with a picture that's very different to everyone else almost every time.
I saw a picture of his on the wires of the opening of Parliament, of one of the cavalry guards before the event started. He's standing, leaning against the wall and it's a lovely, simple moment. He's got a very soft take on things, and in many cases humorous, which in my opinion is the hardest photography to do.
JEFF MITCHELL, GETTY IMAGES
Ian Rutherford works for the Scotsman and has consistently produced great pictures for 10 or 15 years. He's inspired lots of guys up here in Scotland and probably across the UK. He takes pictures the way I would hope to take pictures: very long lens, three-dimensional and very graphic.
He has this great sense of timing - you can be standing beside him, maybe a foot away, but he's caught an instant maybe a fraction before you or a fraction after you and it just seems better, which is infuriating.
DAN CHUNG, THE GUARDIAN
Although he is one of my colleagues, Sean Smith has consistently been one of my favourite photographers.
He gets himself into places that a lot of photographers wouldn't dare go and his recent picture from Iraq - a line of detainees being escorted through the desert by American soldiers - had a very painterly look to it. In its strange way, it's very beautiful.
Justin Sutcliffe used to work in the US and works primarily for The Sunday Telegraph. He travels extensively and his best photo so far was one from the Moscow theatre hostage siege - a picture of a woman being taken away, dazed and semi-naked. It was the only one I saw that showed the effect on the victims and it was quite moving. They are different from ordinary news pictures. That partly comes from working elsewhere.
LEFTERIS PITARAKIS, ASSOCIATED PRESS
Based in Vietnam and Cambodia during the war and later in the Middle East for 19 years, all for Associated Press, Max Nash produced an amazing body of work. He retired last year from the agency but continues to work full time with the same pace and unbeatable passion he had throughout his career. I can only hope I'll last so long.
PETER MACDIARMID, GETTY IMAGES
Tom Pilston of The Independent, is one of those brilliant photographers who is very unassuming, but you know he's going to come up with something you hadn't thought of that looks stunning.
He's a real thinker and I love the way he works, you'd hardly know he's there. He gets to the heart of the story and illustrates it beautifully.
ALISDAIR MACDONALD, FREELANCE
Dan Chung and Peter Macdiarmid are both just thinking photographers. If I go on a job and these two turn up I know I'm dead in the water. With Dan Chung it's originality - you think you've got it and you see his pics and you think, "Oh, I wish I'd done that."
The finest thing in my career is when the opposition guy comes up to you and says, "How did 

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Meia centena de fotografias inéditas dos Beatles vendidas por 200 mil euros



Registo da estreia dos fab four nos EUA21.07.2011 - 17:59 Por Hugo Torres

  •  
 As 46 fotografias a preto e branco que Mike Mitchell fez do primeiro concerto dos Beatles nos Estados Unidos, em 1964, foram vendidas ontem, em leilão, por mais de 285.450 dólares (cerca de 200 mil euros). O valor é quase o triplo dos 100 mil dólares esperados pela Christie’s de Nova Iorque.
Fotografia licitada por 68.500 dólares, o valor mais alto do leilão
Fotografia licitada por 68.500 dólares, o valor mais alto do leilão (Foto: Mike Mitchell/Christie´s)

As imagens, que permaneceram inéditas até aos dias de hoje, foram tiradas a 11 de Fevereiro de 1964, no Washington Coliseum. Meet The Beatles! tinha acabado de ser lançado nos Estados Unidos, e a euforia com a banda, reflectida nas cinco platinas que o disco alcançou no país, passou para aquela sala habituada a combates de boxe.

Mike Mitchell contava apenas 18 anos, mas, a julgar pelos valores envolvidos neste leilão, conseguiu estar à altura do momento. Uma das fotografias do lote, que mostra os quatro de Liverpool de costas, com as silhuetas desenhadas pela luz, foi licitada por 68.500 dólares (cerca de 47.650 euros). O comprador permaneceu anónimo
.
.“Quando tirei essa fotografia não dei por isso. Não me lembrava dela até ter encontrado os negativos há cinco ou seis anos. Tinha ficado esquecida porque estava muito subexposta e com os métodos tradicionais nunca poderia ser revelada. Pude ressuscitá-la graças à tecnologia digital”, contou o fotógrafo, citado pela Euronews.A segunda fotografia mais valiosa para os licitadores, ontem, mostra John Lennon e Paul McCartney em primeiro plano. Também foi comprada por um anónimo, que decidiu desembolsar 30 mil dólares (cerca de 21 mil euros) pelo objecto. De resto, não houve uma única fotografia, do total de 46, que não tenha sido vendida.Mike Mitchell guardou as fotografias durante quase cinco décadas (problemas financeiros levaram-nos a desfazer-se delas). Ainda se lembra da experiência de as fazer: “Senti-me realmente entusiasmado, o público gritou durante todo o concerto, e eu estava com a imprensa em frente ao palco e recordo quão alta estava a música”.O concerto seguiu-se a uma histórica participação no programa televisivo de Ed Sullivan, que registou o que na altura era uma audiência ímpar, de 74 milhões de telespectadores. .A "Beatlemania" chegava oficialmente aos Estados Unidos.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Mostra reúne 27 obras de Gerhard Richter na Pinacoteca


Gerhard Richter, Seascape (Contre-jour)
óleo s/ tela, 200 x 200cm, 1969


Bahbb1shogzmssizmjaxms8wny8xns8xml81nf8wn18zmjbfz2vyagfyzf9yawnodgvyxza4lmpwzwy6bkvuwwg6bna6cnrodw1issinnzm0edu1md4gowzu



21/07/2011 às 11:50:07 - Atualizado em 21/07/2011 às 11:50:07


O pintor alemão Gerhard Richter nunca veio ao Brasil, mas, antes de completar 80 anos, no próximo ano, manda lembranças na forma de 27 obras reunidas em "Sinopse", sua primeira individual brasileira em mais de meio século de carreira, realização do Ifa (Instituto de Relações Culturais com o Exterior) em parceria com o Goethe-Institut. Sentado na sala que abriga os trabalhos, na Pinacoteca do Estado, onde a mostra será inaugurada no sábado, seu biógrafo, Dietmar Elger, também diretor do arquivo que leva o nome do artista, em Dresden, garante que Richter selecionou cada um dos trabalhos exibidos, auxiliado na tarefa pelo historiador Götz Adriani. Nada mais apropriado para um artista organizado, sistemático e com rigoroso controle sobre sua produção, a ponto de anotar quantos metros de tela pinta por ano. Justificável: uma pintura sua pode custar até US$ 9 milhões.
Nem sempre foi assim. Richter amargou um período cinzento na Alemanha Oriental até escapar definitivamente do realismo socialista em 1961, ano em que estava sendo construído o Muro de Berlim. O pintor fugiu com a primeira mulher para Düsseldorf, na Alemanha Ocidental, onde estudou pintura com Karl Otto Götz, integrante do grupo Cobra, que contribuiu para o advento da arte informal nos anos 1950. Richter tem muito de seu mestre, que também oscilou entre a figuração e a abstração, tanto em monotipias com em fotos experimentais. Götz também foi professor de Sigmar Polke, companheiro de Richter na criação da paródica escola do "realismo capitalista", em 1965, resposta irônica à ditadura estética da Alemanha comunista e ao mercantilismo da arte pop americana.
Há, na retrospectiva da Pinacoteca, pelo menos uma obra dessa época, marcada pela amizade com os pintores Konrad Fische-Lueg e Georg Baselitz. Ela ilustra o método de apropriação de imagens fotográficas por esses "realistas capitalistas". Trata-se de Tio Rudi, que retrata o irmão da mãe do pintor, vestido como oficial nazista. Richter era adolescente durante a Segunda Guerra. Tragédias familiares - como a do tio, que morreu na França durante a Ocupação, e de uma tia doente mental, enviada para um campo de extermínio - fizeram de Richter um artista avesso a ideologias, segundo seu biógrafo. "Até mesmo a série de trabalhos sobre o grupo radical Baader Meinhof, feita em 1988, revela mais o medo de que sua filha Betty seguisse o caminho da terrorista Ulriche Meinhof, morta na prisão, em outubro de 1977, do que um comentário político sobre os atos da facção esquerdista", diz Elger.
Betty, hoje com 45 anos, é a filha mais velha de Richter, três vezes casado e pai de duas garotas e dois rapazes, todos retratados por ele. O caçula Moritz ficou por último e, quando lhe perguntam a razão, Richter simplesmente responde: "É que ainda não fiz nenhuma foto dele". Parece brincadeira, mas não é. O pintor vê o mundo por intermédio da imagem fotográfica. Desde que fez sua primeira exposição, em 1963, na Mobelhaus Berges, uma loja de móveis de Düsseldorf, Richter usa a fotografia como documento mais confiável que o olho, incapaz de perceber o que uma máquina registra com precisão. Se ele pinta depois de fotografar, é só pelo impulso subversivo de contestar a hierarquia da arte, como nos tempos do "realismo capitalista".
"Ele não está interessado em verossimilhança nem na pureza da arte, mas numa reinterpretação da realidade via fotografia, no entendimento do mundo por meio dela", observa seu biógrafo. De fato, por que alguém passaria a vida replicando fotografias em pinturas tão "realistas" que chegam a colocar o espectador em dúvida sobre o que vê? Não para criar ilusionismo, isso é certo. Richter escapa até mesmo da prisão temática que prende outros pintores. Há 40 anos começou seu bouvardiano projeto de construir uma enciclopédia de imagens que explicassem, de alguma maneira, o mundo moderno. Chama-se Atlas, foi exposto na Documenta de Kassel de 1997 e tem mais de 4 mil fotografias extraídas de jornais, revistas e livros, muitas delas referências para séries que se tornariam famosas - e cuja marca registrada é a luz suave que emana de uma pincelada leve, como suas paisagens encobertas pela bruma.
Naturalmente, a pintura de Richter acabou evoluindo para a abstração. O marco zero dessa fase é uma tela de 1976. Nela, o pintor usa a mesma técnica de suas pinturas de representação, encobrindo detalhes que possam sugerir figuras e raspando a superfície para expor traços e pinceladas anteriores. Tanto nas dimensões como no procedimento, Richter reproduz o ato heroico dos expressionistas abstratos americanos diante da tela. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
Gerhard Richter - Pinacoteca do Estado (Praça da Luz, 2). Tel. (011) 3324-1000. 10 h/18 h (fecha 2ª). R$ 6 (sábados, grátis). Até 21/8. Abertura sábado, às 11 h
.

14.7.11


Governo de São Paulo e Secretaria de Estado da Cultura apresentam na Pinacoteca do Estado de São Paulo Gerhard Richter: Sinopse




A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresenta a exposição Gerhard Richter: Sinopse.  Em sua primeira individual em São Paulo, a mostra traz 27 pinturas realizadas em diversas fases da produção de Gerhard Richter (1932, Desden, Alemanha), começando pelos trabalhos de fotografia-pintura, dos anos 1960, até as pinturas abstratas dos anos 1980 e 1990.  Esta exposição já passou por Curitiba, Salvador e Brasília, tem curadoria do próprio artista e do historiador Götz Adriani, e é uma realização do ifa (Instituto de Relações Culturais com o Exterior, Alemanha) em parceria com o Goethe-Institut.

Dia 21 de julho às 19h30, na Pinacoteca, acontece a palestra ‘Pintando Fotografias’ com o Dietmar Elger (Biógrafo e Diretor do Arquivo Gerhard Richter de Dresden), sobre a trajetória de Gerhard Richter.

Abertura dia 23 de julho, sábado, a partir das 11h.
Em cartaz até o dia 21 de agosto de 2011.

Gerhard Richter: Sinopse

A Pinacoteca do Estado de São Paulo apresenta a exposição Gerhard Richter: Sinopse.  A mostra é composta por 27 pinturas, escolhidas pelo próprio artista, que formam uma retrospectiva de todas as fases de sua produção, desde os trabalhos de fotografia-pintura dos anos 1960, até as pinturas abstratas dos anos 1980 e 1990. Gerhard Richter é o artista plástico alemão em atividade mais conhecido da contemporaneidade, considerado um dos responsáveis pelo resgate da pintura no final do século XX, quando muitos a consideravam perdida.

A arte de Gerhard Richter não segue uma intenção, um sistema, um estilo, ou uma mensagem. O que a rege é uma ética artística de prática cotidiana, relacionada somente às condições representadas por ela mesma. Richter utiliza motivos variados, estilos e citações da história da arte, porém, seu único e grande tema, em última análise, é a pintura. Suas peças ora são puras, sobre a tela, ora misturadas a fotografias e recortes de jornal. Em alguns casos, como em obras presentes nesta mostra, ele primeiro reproduz a fotografia em pintura, e, depois, volta ao modelo original, fotografando seu trabalho, sem que se percam as características da obra produzida à mão.

A resistência de Richter em se fixar em um estilo, tema ou conteúdo, tem origem em sua própria biografia. Com sua mudança de Dresden, na antiga República Democrática Alemã (RDA) para Düsseldorf, na então Alemanha Ocidental, em 1961, ele não somente muda de ambiente social e político, como entra em outra esfera artística. É nessa fase que Richter troca a tradição de uma pintura do realismo socialista da RDA, por um confronto com a pintura informal tardia e a iniciante PopArt.

Dessa mudança radical permanecem, para sempre, grandes dúvidas quanto às certezas e obrigações nas artes. “Eu não sou seguidor de sistemas, de vertentes ou de intenções. Eu não tenho nenhum programa, nenhum estilo, nenhuma razão especial”, avisou o artista em 1966. Gerhard Richter compreende a pintura como um ato; uma busca da realidade atual: “O que eu via como a minha grande fraqueza, ou seja, a incapacidade de criar uma imagem, não é de fato uma incapacidade, mas sim, uma instintiva busca de uma verdade mais moderna, que já estamos vivendo”.

Pintura X Fotografia

Como meio de comparação à pintura, Gerhard Richter usa a fotografia, sua eterna rival, na representação da realidade e, em 1962, pela primeira vez, parte de uma imagem para realizar uma pintura. Desde então coleciona, sistematicamente, fotografias que servem como matriz para suas pinturas. Desse modo, criou um acervo de imagens públicas e privadas, de 1945 até os dias atuais, compreendendo fotografias de jornal e de própria autoria, e cliques espontâneos de fotógrafos amadores. Esse acervo foi publicado sob o título de “Atlas”, em 1971, e exposto publicamente, de forma inédita, nesse mesmo ano.

É desse acervo que Gerhard Richter escolhe as fotografias que servirão como motivo, ampliando-as ou usando-as, em recortes, nas suas pinturas. Ao reduzir as cores a tons da escala cinza na transposição da fotografia para a pintura, esta fica reduzida e até irreconhecível. Com isso, o artista separa a pintura do objeto que, por sua vez, some na cor cinza, característica das “pinturas cinza”, criadas em fins dos anos 1960. Para Richter, essa cor sempre representou o indiferente e o nada. Mais tarde, volta a trabalhar com cores e encontra um novo caminho numa pintura complexa de camadas, típica de suas obras abstratas dos anos 1980.
.

Fonte: Assessoria de Imprensa