Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 17 de outubro de 2017

O Millennium e o Bandarra

* Victor Nogueira

Contrariando a Meteorologia e apesar da trovoada desta madrugada, hoje ainda não choveu em Setúbal: o dia amanheceu soalheiro, duma luminosidade um pouco baça, mas para meio da tarde a temperatura desceu com desagradável frialdade, as núvens cinzentas acastelando-se por cima e diante de nós.

A ida foi até ao Bandarra, ali nas Escarpas de S. Nicolau, o 5º volume da série Millennium debaixo do braço, inicialmente escrita por Stieg Larsson e, depois da sua morte, prosseguida por  David Lagercrantz. Este volume é mais estilo literatura light, descartável,  Aliás os 3 primritos volumes comprei-os numa área de serviço, numa das minhas viagens até ao Mindelo. Mas a partir de certa altura este 5º volume que estava a ler com algum fastio, leitura entremeada com a d'O Gerente da Noite, de John Le Carrée, passou a prender-me a atenção. O cerne deste volume são as experiências com gémeos verdadeiros ou monozigóticos  e gémeos falsos ou dizigóticos, separados e criados em meios socio-culturais distintos, para tentar determinar a quota parte da influência da hereditariedade e do meio socio-cultural nos respectivos percursos de vida.

Hoje é posto à venda um novo livro de John LeCarrée, intitulado  "Um Legado de Espiões", retomando o personagem de George Smiley  Mais um livro para ler !














segunda-feira, 16 de outubro de 2017

à Beira Tejo, em terra de Avieiros

* Victor Nogueira

Num breve intervalo das suas guerras contra moinhos de vento regressou pois Ulisses a Ítaca e Penélope foi mostrar-lhe os mouchões fluviais, as calmas, serenas e repousantes águas esverdeadas em milhentas pequenas ondulações,.as árvores esquálidas no horizonte e, deste lado, as embarcações miniaturais dos pescadores e as suas casas de apetrechos, como as dos pescadores em Vila Chã (Vila do Conde) ou dos salineiros em Rio Maior. Já não vivem os pescadores da beira-Tejo em cabanas miseráveis e um enorme espaço verde, algo ressequido, bordeja o rio das Tágides. Alhandra e Alverca estão no horizonte, mas essa é uma rota ou percurso no futuro

Estão pois Penélope, os cabelos esvoaçando com a brisa, e Ulisses à beira-rio, num tempo escasso que breve se esvai na ampulheta. Na beira-rio de avieiros e mouchões,  que redes entretecem e entretelam a bela Penélope e Ulisses? Penélope em roda-viva e Ulisses no cais, como está João Baptista Cansado da Guerra.

Contrariando as previsões meteorológicas, o dia não esteve chuvoso, mas sim de elevada hlnidde relativa, abafado, com o suor goticular a flor da pele, sem evaporação.

















fotos em 2017.10.16

"... Incerto o pão na sua praia, só certa a morte no mar que os leva, eles partem. Da Vieira de Leiria vêm ao Ribatejo. Aqui labutam. Alguns voltam ainda, roídos das saudades do seu Mar. Muitos ficam. Avieiros lhes chamam na Borda de Água... (Avieiros, romance de Alves Redol)
.
Sobre os avieiros ver

sábado, 14 de outubro de 2017

Oeiras - retorno aos jardins do Palácio do Marquês de Pombal e Conde de Oeiras

* Victor Nogueira


~

O Palácio, cujo projecto é do risco do arquitecto Carlos Mardel, ocupava uma posição estratégica em relação ao primitivo núcleo urbano de Oeiras, sendo o acesso efectuado por um amplo e cenográfico terreiro. As portas do piso térreo abrem-se ao amplo jardim que prolonga o espaço de sociabilidade – os passeios, as merendas, os jogos, a música e a dança, fazem parte da componente recreativa da quinta, que exibe ainda cascatas, tanques, terreiro dos jogos e um pequeno cais, que permitia navegar na Ribeira da Laje.
.
A propriedade tinha também uma componente produtiva – os mais de 200 hectares da quinta possibilitavam um elevado rendimento, com gestão próxima de Sebastião José: azeite, vinho, frutas e cereais, uma unidade modelar à época.  Parte dos terrenos estão actualmente integrados na Estação Agronómica de Oeiras. O Palácio, os jardins e a Casa da Pesca estão classificados como Monumento Nacional desde 1953

Visitar o palácio marquês de Pombal, é ter a oportunidade de contemplar um dos melhores conjuntos decorativos do período pombalino, rico em estuques e azulejos. Nos jardins, destacam-se as várias peças de estatuária, os bustos de mármore, bem como os vários muretes e escadarias revestidas de azulejos.  (texto adaptado do site da CMO)

Esta minha nova visita tinha como objectivo a série Águas em Oeiras, com novo levantamento fotográfico, incluindo a Fonte do Povo, que não consegui localizar. Hoje sem água, os tanques outrora deveriam refulgir e refrescar o ambiente, num murmúrio de águas mansas e cristalinas misturado com o sabor odorífero de flores e árvores de frutos mesclados com o trinado das aves.  Os conjuntos escultóricos espalhados pelos jardim são da autoria de Machado de Castro. Os azulejos reproduzem cenas de lazer da nobreza e dos trabalhos agrícolas.

As instalações agrícolas não são acessíveis ao público; nem o Lagar de Azeite (outrora Galeria Municipal onde visitei algumas exposições) nem a Adega (ocupada pelos Serviços de Informática). Contudo logrei que me deixassem ter uma visão da adega para lá das poetas envidraçadas que a encerram.

Estação Agronómica de Oeiras



~


Os Jardins e o Palácio (Clicar na foto para ampliar)


Vista parcial das propriedades do Marquês de Pombal (Clicar na foto para ampliar)

(Google Earrh)



Publicado a 22/07/2015

Jardins do Palácio




Ribeira da Laje





Cascata dos Poetas




Cais de embarque


Ribeira da Laje




O Palácio














A lixeira a céu aberto ou no melhor pano cai a nódoa




Fonte dos Embrechados













interior da Fonte dos Embrechados

Terraço das Araucárias




































Figuras de convite












Figuras de convite













Cascata dos Poetas




















Fonte das 4 Estações (antiga Horta ajardinada)













Jardim das Merendas













Antigo Lagar do Vinho






Antiga Horta Ajardinada e Jardim das Merendas















Antigo Lagar de Azeite


Casa da Malta (?)














fotos em 2017.09.11


OUTRAS PUBLICAÇÕES SOBRE ESTE PALÁCIO E SEUS JARDINS

PODE FAZER O DOWNLOAD DUM FOLHETO EM