Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 10 de abril de 2018

Azulejaria civil (16) em Setúbal - cazza de commercio de fazendas e de lã

* Victor Nogueira

Na esquina da Rua Serpa Pinto com o Largo da Ribeira Velha esta foi uma "cazza de commercio de fazendas e de lã, linho, algodão e seda, nacionaes e estrangeiras, por atacado e a retalho, e um variado sortimento  de bijoterias e fato feito", entretanto substituído por um restaurante, De pedra e sal. Produzido pela Casa do  Ferreira das Tabuletas, de Lisboa (1) e da  Fábrica de Cerâmica da Viúva Lamego, neste painel de azulejos estão representados a Industria e o Commercio, como se figuras de convite fossem.

(1) http://www.cm-lisboa.pt/equipamentos/equipamento/info/casa-do-ferreira-das-tabuletas
https://pt.wikipedia.org/wiki/Casa_do_Ferreira_das_Tabuletas
http://www.patrimoniocultural.gov.pt/pt/patrimonio/patrimonio-imovel/pesquisa-do-patrimonio/classificado-ou-em-vias-de-classificacao/geral/view/74474/
https://pt.wikipedia.org/wiki/F%C3%A1brica_de_Cer%C3%A2mica_da_Vi%C3%BAva_Lamego




Commercio






fotos em 2018.03.24



Indústria


Commercio


Commercio


Commercio


Indústria


Commercio



fotos em 2017.05.02

Guto Carneiro - Marca d’água realmente assegura direito autoral?

Fotografia DG - Referência em Dicas de Fotografia


* Guto Carneiro

20/04/2013 

Vejo muitas discussões acerca do uso de marca d’água em fotografias como forma de assegurar o direito autoral sobre a imagem. Em minha humilde opinião pessoal, não acho bacana usar marca d’água. Primeiro porque corrompe a foto, violando a integridade da imagem. E depois porque a marca d’água não nos assegura necessariamente contra o uso indevido de nossa fotografia, tampouco preserva a autoria, a não ser que façamos uma marca imensa bem no meio da foto, o que não me parece uma boa ideia, por cobrir e poluir informações essenciais à qualidade da imagem.

Uma das opções para evitar este tipo de poluição visual é a utilização de uma marca pequena num canto da imagem, em local onde há menos ou nenhuma informação, o que não prejudicaria o resultado final.

No entanto, analisemos que, se o local onde a marca foi inserida é dispensável à foto, o que impediria um usuário com má-fé de simplesmente recortá-lo, retirando aquele pedacinho da borda ou cobri-lo em algum programa de edição, usando todo o restante da imagem?

O que fazer então para proteger nosso trabalho fotográfico? Deixo uma dica pra quem, assim como eu, não nutre muita simpatia com a marca d’água: PUBLIQUE! Atualmente, a grande maioria dos sites – senão todos – mantém o registro da data e horário da publicação. Sem falar que há uma infinidade de sites que permite a publicação sem cobrar nada por isto.

Grande parte das pessoas ainda acredita que, excetuando-se a ostentação do nome do autor gravado na própria obra, o registro em órgão específico será a única forma plausível de proteção dos direitos autorais que sobre ela recaem. Neste caso, é preciso desembaralhar alguns conceitos, lembrando que o registro é importante sim e assegura de forma bastante eficaz não a proteção, mas a comprovação da autoria. Ou seja, a finalidade precípua do registro é fazer prova, o que significa que para você ser considerado o criador da imagem, não estará obrigado a registrá-la, desde que possa comprovar esta titularidade através de outros meios.

Este tema é regulamentado no Brasil pelos artigos 18 e 19 da Lei nº 9.610/98 (Lei de Direitos Autorais) e em Portugal pelo artigo 12º do Código do Direito do Autor e dos Direitos Conexos, os quais afirmam que o direito do autor será reconhecido, independentemente de registro, sendo este último uma faculdade do autor da obra, não constituindo uma obrigação.

Desta forma, a mera publicação assegura minha titularidade, desde que eu o faça antes que qualquer pessoa o tenha feito. Assim, se o site que eu utilizo mostrar o dia e a hora da minha publicação, isto será o bastante. Imagine uma situação na qual acabei de chegar de uma sessão fotográfica e tratei de publicar imediatamente as imagens que produzi.  Considerando que num intervalo curto, digamos, de uma hora depois, algum usuário mal intencionado copia minha fotografia e publica em seu site como se fosse sua, ambas as publicações – a minha e a dele – guardarão o registro do dia e da hora da postagem. Ao tomar conhecimento de que minha fotografia está sendo indevidamente creditada a outro titular, posso processá-lo para reaver minha titularidade e comprovar minha autoria. Bastará comprovar em juízo a hora da minha publicação e será fácil perceber que antes de mim ninguém havia publicado aquela imagem, lembrando que o outro usuário somente o fez depois de mim. Isto aponta para o fato de que ele – ou quem quer que fosse – não teve acesso à foto antes da minha publicação.

Logicamente, a publicação em algum site ou outra forma de mídia envolve uma série de outros fatores que deverão ser levados em consideração de acordo com o interesse do autor. Digamos que o fotógrafo não queira expor sua foto, ou não queira arriscar tê-la baixada, etc. Vale lembrar que uma vez que você jogue seu arquivo publicamente na Internet, estará sujeito que qualquer usuário faça cópia e se utilize indevidamente. Daí, evidentemente será difícil controlar em quantas mãos aquela foto irá chegar. Mas, este é outro assunto e este artigo singelo jamais terá a pretensão de esgotar todas as possibilidades a que o tema conduz. O que importa é que, se por um acaso, você puder identificar o abuso ao seu direito autoral através da divulgação não autorizada de uma foto sua, poderá comprovar sua autoria demonstrando a data em que foi publicada, sem necessariamente ter que fazer uso de marca d’água, caso você compartilhe o pensamento de que isto irá poluir o visual da fotografia que lhe deu tanto trabalho obter.

Por fim, lembro que a publicação não é a única forma, além do registro, para proteger o direito autoral, mas apenas mais uma, haja vista que os ordenamentos jurídicos brasileiro e português não consideram o registro como requisito obrigatório à comprovação de autoria da obra. Da mesma forma, marca d’água não assegura proteção, bastando imaginar que o mesmo sujeito que se apropriar indevidamente da minha fotografia e apagar ou cobrir qualquer marca d’água ali inserida poderá substituí-la por outra se este for o limite de sua má-fé.

https://www.fotografia-dg.com/marca-d-agua-direito-autoral/


***

VER
Cómo poner marcas de agua a mis fotos fácil y rápido

sexta-feira, 16 de março de 2018

Azulejaria civil (15) dispersa em Setúbal e Azeitão 02

* Victor Nogueira

Registos em momentos dispersos, por  aqui e por ali, em Azeitão, indicativos ou de história, do comércio aos serviços ou meramente decorativos, alguns já neste blog publicados.



Casa particular - Rua Almirante Reis - Vila Fresca de Azeitão



Barbearia - Vila Nogueira de Azeitão



Antiquário - Vila  Nogueira de Azeitão


Pastelaria Cego - Rua José Augusto Coelho, 150 - Vila Nogueira de Azeitão




Lavadouros e Fonte - Oleiros



Quinta das Conselheiras - Aldeia de Irmãos


Casa particular -  Aldeia de Irmãos


Juventude Azeitonense - Vila Nogueira de Azeitão


Lavadouros - Vila Nogueira de Azeitão


Adega José Maria da Fonseca - Rua Rua José Augusto Coelho - Vila Nogueira de Azeitão


Quinta do Fisco - Aldeia de Irmãos


Igreja de S. Simão -  Vila Fresca de Azeitão


Placas toponímicas do Real Automóvel Club de Portugal - Vila Nogueira de Azeitão


Villa Moita - Aldeia de Irmãos


Quinta da Aldeia - Aldeia de Irmãos


  Restaurante Jardim do Moscatel (Quinta Vitor Guedes)- Rua. 9 de Abril, 9 - Vila Nogueira de Azeitão


fotos em 2017

VER

Azulejaria dispersa em Setúbal e Azeitão 01

quinta-feira, 15 de março de 2018

Azulejaria civil (14) dispersa em Setúbal e Azeitão 01

* Victor Nogueira

Registos em momentos dispersos, por  aqui e por ali, na cidade de Setúbal, alguns já  desaparecidos, indicativos ou de história, do comércio aos serviços ou meramente decorativos, alguns já neste blog publicados.


(***) (...)


António Jacintho da Fonseca - Rua Dr Paula Borba / Travessa de S. Cristóvão




(***) Antigo Bairro Operário Afonso Costa (demolido)




(***) Instituto de Educação Cristã - Rua Garcia Peres, 36 (retirado) (Bairro Salgado)




Palácio dos Salema, na Praça de Bocage - Bocage e Luísa Todi


Bocage - Rua Francisco José Mota


7º Centenário de Setúbal (1949) - Festejos Populares Junho de 1949 - Rua de Fran Paxeco



António Maria Eusébio, o "Calafate" - Bairro do Troino



Rua do Outeiro da Saúde





Miradouro de S. Sebastião - Largo Defensores da República




Edifício Lagar S. João - Rua das Alcaçarias

Este lagar é perpetuado  numa praceta no local onde presentemente se encontra o Tribunal de Família e outrora se situava  também o Cine-Esplanada de Setúbal, que abria nos meses de Verão



Praceta do Lagar de S. João


Adega dos Frades - R. Major Afonso Pala 19 - r/c


Capela de N. Sra do Carmo - Rua António Maria Eusébio


S. Francisco Xavier, padroeiro da Cidade de Setúbal - Largo da Misericórdia 1


Pátio dos Pintassilgos - Rua Jaime Cortesão 132 / 144



Antigo fontanário na Rua das Oliveiras



Café Pastelaria Ti Paulino - Rua João Eloy do Amaral, esquina com a Travessa de S. Caetano



Corpo Nacional de Escutas  - Praceta do Montalvão 


Mini-Quebedo - Praça do Quebedo, 38 / 40


Praia da Esguelha, na Serra da Arrábida - Rua Pereira Cão, 3


Jardim Infantil O Girassol - Rua D. Ana Broughton Gamito


Pizzaria Mozzarella - Estrada dos Ciprestes, 11



Escola básica do 1.º ciclo nº 4 - Avenida D. João II




Escola básica do 1.º ciclo nº 7 (Fonte do Lavra)  - Rua Comendador Lino da Silva 


Restaurante Gravatinha - Praça Almirante Reis, 22



Companhia das Arábias - Av. 5 de Outubro, esquina com a Av. 22 de Dezembro




Centro Médico - Rua dos Comediantes




Escola básica do 1.º ciclo nº 6 (Montebelo)  - Travessa Professor Marques de Sousa



Retrosaria do Bocage - Rua Dr. Estevão Vasconcelos, 45


Construções Alfredo Simões Lda - Rua Vasco da Gama, 3


Corpo Nacional de Escutas - Rua dos Mártires da Pátria (Adro da Igreja de N. Sra da Anunciada)



Ourivesaria Bocage - Travessa do Ximenes


Grupo Desportivo e Recreativo da Liberdade - Av. Bairro da Liberdade, 22


Pastelaria A Camponesa - Rua António Maria Eusébio, 80



Centro de Apoio Escolar do Aranguez - R. José de Groot Pombo, 51



Arte & Imaginação - Travessa do Garim, 8



Registo de Azulejos setecentista alusivo ao Terramoto de 1755 - Largo da Misericórdia




Escola básica do 1.º ciclo nº 5 e Jardim de Infância - Rua Batalha do Viso




N. Sra da Conceição - 3 séculos como Padroeira de Portugal (1646 / 1946) - Av. Luísa Todi, 272



Rua Manuel Livério



Escola básica do 1.º ciclo nº 8 - Bairro N. Sra da Conceição - Rua Campos Rodrigues




Junta de Freguesia de S. Sebastião - Avenida Bento de Jesus Caraça



José Afonso - 35º aniversário do 25 de Abril - Avenida Bento Jesus Caraça (Junta de Freguesia de S. Sebastião)


Cerâmica Bocage - (...)



Farmácia Sália - Praça do Bocage, 98


Vivenda La Salett - Rua Capitão-Tenente Carvalho Araújo, 70 (Bairro Salgado)



fotos em 2017 / 2018 e anteriores (***)

VER

Azulejaria dispersa em Setúbal e Azeitão 02