Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 7 de abril de 2020

Super Lua Cheia em 2020.04.07 (Setúbal)

* Victor Nogueira

Neste ano de 2020 já houve uma super Lua Cheia, em 9 de Março. Hoje foi a 2ª de três no corrente ano. Com nuvens no horizonte só foi possível vê-la já relativamente alta mo espaço sideral.








***

Fotos em 20120.04.07














Ver outras super-luas cheias

Novos nocturnos e poentes em Vila do Conde e, por acidente, a super Lua (Cheia) (2016 Vila do Conde)

Super Lua-Cheia em 13 e 14 de Dezembro de 2016 (Vila do Conde e Mindelo)


segunda-feira, 30 de março de 2020

A Central termoeléctrica de Setúbal ao longo dos tempos

* Victor Nogueira


A Central vista do Castelo de Palmela  


Nos anos '80 (rolo 54)
(fotos Victor Nogueira)

Noticias da imprensa«A EDP concluiu hoje com êxito o derrube das duas chaminés de 200 metros de altura da central termoelétrica de Setúbal (...) Na operação de demolição das duas chaminés, que foi efetuada pela empresa Maxam, especialista na utilização de explosivos para este tipo de atividades, foram utilizados entre 150 e 200 quilogramas de explosivos em cada uma das duas chaminés. . Construída no final da década de 70 do século passado, a Central Termoelétrica de Setúbal, localizada na zona industrial península da Mitrena, esteve mais de 30 anos em funcionamento, desde 1978 a 2013, estava equipada com quatro grupos de geradores e chegou a abastecer 25% da população portuguesa em território continental.» (Sapo 24 - 2020.03.29)

«Símbolo de outros tempos, a central termoeléctrica de Setúbal chegou a ser o maior centro produtor de energia nacional até à abertura da central de Sines, que também já tem o fecho anunciado. Chegou a fornecer energia a 25% da população portuguesa em território continental. Era também uma das centrais mais poluentes do país, produzindo electricidade a partir de fuelóleo (cerca de 5.280 toneladas por dia).» (Público, 2010.03.30)

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Leio esta notícia e vou a uma das janelas no cimo da torre no alto duma encosta. O horizonte de facto mudou; já lá não estão, desde ontem, 29 de março.

Elas que eram com o Castelo de Palmela uma das marcas que distinguiam o que o meu olhar alcançava até ao horizonte, e que surgem em muitas fotos minhas, designadamente ao nascer do sol.

É um horizonte agora estranho, despido, desequilibrado este que o meu olhar alcança.

É como se perdesse uma parte de mim, sempre foram 4 décadas, 40 anos que se foram, implodidos.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

Galeria Fotográfica (Victor Nogueira)

Vista do cimo da torre no alto duma encosta

o agora


o antigamente










vista do miradouro da Ermida ou Capela de Santo António no Parque Verde da Belavista






















vista da Península da Mitrena





















vista do Bairro da Belavista



















vista da Mourisca


No horizonte, à esquerda, a Estação Elevatória da Belavista e a meio as chaminés da Central Termo-Eléctrica



















Vista do moinho de maré da Mourisca, então em ruínas

vista da Avenida Belo Horizonte 
(Escarpas de S. Nicolau)


vista da Praia da Saúde







domingo, 8 de março de 2020

mindelo (por-do-sol) - uma foto e 2 poemas (Nuno Júdice e António Reis)



foto victor nogueira - mindelo (por-do-sol) - uma foto e 2 poemas (Nuno Júdice e António Reis)

NOS TEUS OLHOS (Nuno Júdice)

É nos teus olhos que o mundo inteiro cabe,
mesmo quando as suas voltas me levam para longe de ti;
e se outras voltas me fazem ver nos teus
os meus olhos, não é porque o mundo parou, mas
porque esse breve olhar nos fez imaginar que
só nós é que o fazemos andar.

093. SEI AO CHEGAR A CASA (António Reis)

Sei
ao chegar a casa
qual de nós
voltou primeiro do emprego

Tu
se o ar é fresco

eu
se deixo de respirar
subitamente

António Reis - Novos Poemas Quotidianos —

sábado, 7 de março de 2020

bilharando

* Victor Nogueira


fotos victor nogueira - em paço de arcos, a long time ago

sexta-feira, 6 de março de 2020

nascer do sol em setúbal

` Victor Nogueira





foto victor nogueira - 2019.02.28 - nascer do sol em setúbal, na zona industrial da Mitrena, distinguindo-se as chaminés da central termo-eléctrica e o guindaste dos antigos estaleiros navais os setenave, actual lisnave, onde também fui professor, no passado milénio. Gostei de dar aulas aos operários da então Setenave

Mértola islâmica

* Victor Nogueira



foto Victor Nogueira - Mértola islâmica


















(original)

Évora no casarão da rua Serpa Pinto em 1980

* Victor Nogueira



foto victor nogueira - évora no casarão da rua serpa pinto em 1980 - a biblioteca era muito mais pequena e não enchia a casa toda, ao contrário do que sucede actualmente, no alto da torre no cimo duma encosta, .


Dizem que os livros são os nossos melhores e maiores amigos.
Mas os livros não se sentam á nossa beira,
nem têm olhos, nem sorriem
nem nos abraçam,
nem connosco passeiam pela rua, pelo campo.
Nada podemos dar aos livros
senão as letras dos nossos pensamentos
ou um pouco de nós
para que chegue aos outros.

Os livros têm os olhos que nós temos.
E os seus lábios são os nossos lábios.
Porque se os livros tivessem olhos
e lábios e mãos e dedos
seriam talvez pessoas
mas nunca livros.

Victor Nogueira (escrito em 1969, no exílio em évoraburgomedieval)