Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Livro e exposição fotográfica divulgam pesca da tainha em Florianópolis


 
Publicado em 28/11/2011 às 08:46:25 



Uma exposição a céu aberto revela a beleza de uma tradição cultural autêntica da Ilha de Santa Catarina. 
A mostra fotográfica “Nossa Pesca: um retrato da pesca da tainha em Florianópolis” será aberta nesta terça-feira, às 19h, no Palácio Cruz e Sousa, junto com o lançamento do livro de mesmo nome, de autoria dos fotógrafos Eduardo Cassol e Filipe Quintanilha.
.
Com curadoria de André Paiva, a exposição reúne 30 telas, no formato banner, com imagens retratadas pelo livro. O material mostra a rotina dos pescadores e as diversas etapas que envolvem a pesca do peixe mais popular de Florianópolis, desde o preparo das redes à contagem e distribuição do pescado após os lances. A mostra fica aberta à visitação pública e gratuita até 22 de dezembro.
.
Já o livro integra um projeto cultural que visa ao registro da atividade, contribuído para a preservação e valorização de um ícone local e de uma tradição cultural de base açoriana no município. “O objetivo é reavivar a identidade de Florianópolis, além de registrar um costume que é tão característico da nossa Ilha. A pesca artesanal de tainhas é um patrimônio cultural que devemos preservar”, observa o produtor cultural Filipe Quintanilha.
.
A publicação traz mais de 60 fotografias, feitas por Cassol e Quintanilha no período de maio a julho deste ano, acompanhadas de textos relatando o processo da pesca artesanal em algumas comunidades. “No livro há também o registro do maior lance da temporada, um dos maiores dos últimos 30 anos: 45 toneladas, cerca de 30 mil tainhas, pescadas na praia da Lagoinha durante a madrugada”, conta o fotógrafo Eduardo Cassol.
.
Com tiragem de dois mil exemplares, a publicação será distribuída a centros culturais, comunidades pesqueiras, bibliotecas, escolas e unidades educativas no município, patrocinadores e apoiadores do projeto. Cerca de 300 exemplares estão reservados para distribuição ao público no  no evento de evento de lançamento 






Sem comentários: