Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Rômulo Lubachesky desvenda os segredos da Fotografia Infravermelho na Escola de Imagem

Dom, 05 de Setembro de 2010 13:45 Patrícia Leris.
A fotografia, por si só, provoca nas pessoas interesse em desvendar seus mistérios, pois, as imagens são elementos que transmitem informações e sentimentos de uma forma especial. Por isso, existe sempre a busca pela imagem perfeita e cores surpreendentes.


Um exemplo disto está na fotografia infravermelho, criada na década de 20, que vem despertando cada vez mais curiosidade sobre a sua produção. Isso se deve às belíssimas imagens feitas com essa técnica, resultados de uma combinação de elementos e cores.

De acordo com Rômulo Lubachesky, fotógrafo e especialista no tema, a fotografia infravermelho têm o poder de transformar objetos e cenas em imagens reveladoras. A técnica consiste em fotografar utilizando uma câmera digital ou analógica utilizando um filtro infravermelho acoplado à frente da objetiva. As câmeras digitais possuem um filtro interno que possibilita, com a sua retirada, também registrar a imagem em infravermelho, porém esta retirada somente deve ser feita por pessoas especializadas.

Para compartilhar estes conhecimentos, o fotógrafo Rômulo Lubachesky estará na Escola de Imagem em Belo Horizonte (Rua Colômbia, 375 – Sion), nos dias 25 e 26 de setembro, para ministrar o curso “Fotografia Infravermelho”. 

Segundo Rômulo, o curso tem por objetivo ensinar técnicas de captura de imagens infravermelhas através de câmeras digitais. “Durante o curso não irei ensinar somente a produção de foto infravermelho, mas sim, dar base para que os próprios alunos desenvolvam suas técnicas e avancem no conhecimento sobre o tema. O infravermelho envolve muitas variáveis que permitem uma gama de possibilidades para que cada fotógrafo encontre sua tendência e faça sua história”, explica. 

Durante as aulas serão repassados conceitos sobre a história e usos práticos da foto infravermelho, as possibilidades da técnica, fotografia multiespectral, entre outros. Além disso, serão ministradas aulas práticas no Parque Municipal para que os alunos produzam suas próprias imagens. “Espero encontrar pessoas interessadas em aprimorar suas técnicas fotográficas, profissionais e amadores que não se contentam em conhecer o básico e querem explorar todas as possibilidades da fotografia, inclusive as naturalmente invisíveis”, afirma.

Sobre Rômulo Lubachesky

O fotógrafo conheceu a fotografia infravermelho quando estava na faculdade de Geologia, onde trabalhava com imagens orbitais e utilizava o infravermelho. Na época, as primeiras fotos estavam sendo publicadas na Europa. “Elas não tinham nenhuma indicação sobre a técnica utilizada, mas pude identificar nas suas características que se tratavam de foto infravermelho”, comenta. Hoje, seu trabalho é reconhecido em todo o Brasil, onde já participou de exposições, além de escrever diversos artigos sobre o infravermelho. “Minha carreira como fotógrafo teve um grande impulso com o uso dessa técnica e, principalmente, com a divulgação de sua metodologia. Isso é mais que um orgulho para mim”, finaliza.

Sobre a Escola

A Escola de Imagem é hoje a maior e a maios completa escola de fotografia e vídeo digital do país. O objetivo é oferecer cursos diferenciados e de qualidade que contribuam para a ampliação dos conhecimentos para quem deseja trabalhar com fotografia profissional ou amadora. A escola conta com professores altamente qualificados, que estão sempre em busca de um aperfeiçoamento no mercado e que trabalham com técnicas pioneiras, com foco no aluno.

AGENDA: curso “Fotografia Infravermelho” (Rômulo Lubachesky)

Data: 25 e 26 setembro de 2010

Local: Escola de Imagem - Rua Colômbia, 375 – Sion – Belo Horizonte - MG
Informações: (31) 3264-6262 ou www.escoladeimagem.com.br

Requisitos: Câmera Infra ou Filtro RM72

Carga horária: 16 horas // O curso terá apostilas em PDF e certificado de conclusão.
.
.
http://www.segs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=18648:-romulo-lubachesky-desvenda-os-segredos-da-fotografia-infravermelho-na-escola-de-imagem&catid=58:cat-eventos&Itemid=333
.
*****
.
 

Radiação Infravermelha

sobre Física Por Algosobre Assinar feed do autor
conteudo@algosobre.com.br
.
A natureza composta da luz branca foi demonstrada pela primeira vez por Newton, em 1664, quando decompôs a luz solar por meio de um prisma, projetando-a numa tela. A imagem alongada e colorida do Sol foi chamada por ele de espectro
.
Em 1880, o astrônomo inglês William Herschel (1738 - 1822) repetiu a experiência de Newton, com a finalidade de descobrir qual das cores do arco-íris daria mais resultado no aquecimento do bulbo de um termômetro. Percebeu que o termômetro era aquecido pelo violeta, pelo azul e pelo vermelho. No entanto, o aquecimento era mais eficaz com o alaranjado e com o vermelho. Finalmente, percebeu que o bulbo do termômetro se aquecia ainda mais se fosse colocado na região escura que se estende além do extremo vermelho do espectro. Assim foi descoberta a radiação infravermelha.
.
.
A radiação eletromagnética infravermelha tem comprimento de onda entre 1 micrômetros e 1000 micrômetros. Legeiramente mais longa que a luz visível, situa-se no espectro entre a luz vermelha e as microndas. Por ser uma onda eletromagnética não necessita de um meio para se propagar, pode se deslocar no vácuo com a velocidade da luz. É assim que o calor viaja do Sol à Terra.
.
.
Na faixa de radiações do infravermelho distinguem-se três regiões: Infravermelho próximo, médio e longínquo. A subdivisão, não muito precisa, baseia-se na facilidade em produzir e observar essas três modalidades do infravermelho, o que depende de seu comprimento de onda. Todavia pode-se estabelecer que o infravermelho próximo vai de 0,7 a 1,5; o infravermelho médio, de 1,5 a 10; e o infravermelho longínquo, de 10 a 1000 micrômetros. O infravermelho próximo possui as mesmas propriedades da luz visível, com a diferença de que não é percebido pela vista. Pode ser produzido por qualquer fonte luminosa e ser estudado com os mesmos detectores (chapa fotográdicas, fotocélulas, etc). Já o infravermelho intermediário requer, para ser produzido, técnicas mais refinadas. Finalmente, o infravermelho longínquo necessita de instrumentos especiais.
.
.
Embora invisível, a radiação infravermelha pode ser percebida por suas propriedades de aquecimento. Quando um aquecedor elétrico é ligado, sente-se seu calor irradiado antes mesmo que a resistência comece a avermelhar-se.
.
Se o olho humano fosse sensível a radiação de 10 micrômetros (a faixa de emissão mais comum de corpos à temperatura ambiente), não haveria necessidade de iluminação artificial, pois tudo seria brilhante durante o dia ou a noite. Os seres vivos se destacariam com nitidez por serem mais quentes e, portanto, mais brilhante que o ambiente. Apenas os objetos frios ficariam negros. Assim, sem o emprego de luz artificial, seria difícil descobrir qualquer coisa que estivesse no interior dos refrigeradores.
.
Alguns animais, como as cobras, possuem uma "visão" de 10 micrômetros que lhe permite apanhar suas presas à noite. Esta habilidade de perceber objetos quentes no escuro apresenta um evidente valor militar e seu controle tem impulsionado muitas pesquisas sobre sistemas de detecção.
.
.
A radiação infravermelha encontra aplicações práticas muito importantes. É utilizada, por exemplo, para aquecer ambientes, cozinhar alimentos e secar tintas e vernizes.
.
Em medicina, tem amplo uso terapêutico, sendo empregada no tratamento de sinusite, dores reumáticas e traumáticas. A radiação infravermelha penetra na pele, onde sua energia é absorvida pelos tecidos e espalhada pela circulação do sangue.
.
Existem aparelhos especiais que permitem ver um objeto pela detecção das radiações infravermelhas que ele emite. Um exemplo prático é dado pelo sistema de alarme infravermelho: qualquer interrupção de um feixe dessas radiações ocasiona a criação de um impulso elétrico no detector de controle, ligando o alarme. Esse sistema é usado, também nas portas de elevadores, para evitar que elas se fechem sobre as pessoas. 
.
.
A fotografia é uma das atividades mais beneficiadas com a aplicação da radiação infravermelha. Algumas emulsões fotográficas podem se tornar sensíveis a uma luz de comprimento de onda de até 1,1 micrômetro - o infravermelho próximo da luz visível. Utilizando um certo tipo de filme infravermelho colorido, as cores dos objetos apresentam-se deslocadas de suas posições no espectro - a luz azul não aparece, os objetos verdes ficam azuis, os vermelhos mostram-se verdes e os infravermelhos colorem-se de vermelho.
.
Fonte:
http://br.geocities.com/saladefisica 
.
.http://www.algosobre.com.br/fisica/radiacao-infravermelha.html
.
.

Sem comentários: