Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Homenagem ao dia do Repórter fotográfico

Quinta-feira, 02/09/2010, 16h09
  .
Nesta quinta-feira (2), é comemorado o dia do repórter fotográfico. Ao longo dos anos, o fotojornalismo se tornou um estilo de trabalho que baseado no uso das imagens fotográficas para veícular e complementar ainda mais as notícias.
.
HISTÓRICO
O surgimento dessa área se deu através do britânico Roger Fenton, que fotografou a Guerra de Crimeia, no período de 1853 a 1856. A primeira publicação de uma imagem em um veículo de comunicação aconteceu em 1880, através do jornal Daily Herald, de Nova Yorque, com a finalidade de inovar seu estilo de publicação, buscando chamar mais a atenção dos leitores.
.
DIÁRIO
O jornal DIÁRIO DO PARÁ conta com uma equipe de 14 fotográfos, entre contratados e freelas.

Ney Marcondes, repórter fotográfico profissional há 27 anos, trabalha na redação do DIÁRIO há quatro anos.
.
Segundo o fotógrafo, que também expõe seus trabalhos em eventos, o fotojornalismo do impresso se mistura com os outros tipos de fotografia. "O profissional acaba inserindo o fotojornalismo em tudo, seja no social ou mesmo no institucional.", comenta Ney.
.
DIA-A-DIA
Muitas vezes o repórter fotográfico acaba se envolvendo com a situação, ao cobrir uma reportagem. Ney já passou por situações de comoção, como por exemplo, quando foi fazer uma matéria em um Pronto Socorro Municipal da cidade de Belém.
.
Durante uma hora, ele acompanhou um senhor que estava muito mal em frente ao PSM e não conseguia atendimento. "Foi muito difícil ver todo o sofrimento do senhor e não poder fazer nada. A única coisa que eu podia fazer era fotografar, para chamar a atenção do poder público.", lembra Ney.
.
Everaldo Nascimento, fotógrafo e editor do jornal DIÁRIO DO PARÁ, diz que a maior diferença entre um repórter fotográfico, que trabalha em jornal, para um que trabalha em eventos, é a dinâmica da ação e a conversa com o repórter. Além do curto tempo de produção, pois se trabalha com o factual.
.
<
.
Para o fotógrafo o mais envolvente na profissão é trabalhar com a emoção do momento, a adrenalina. Dentre as inúmeras matérias feitas por Everaldo, seu maior desejo ainda é fazer a cobertura da Copa do Mundo. "Com a Copa sendo disputada em Manaus, meu sonho em fazer essa grande cobertura ficou mais próximo de ser realizado.", disse o fotógrafo.
.
O Diário Online homenageia os repórteres fotográficos com galeria que reúne um pouco do trabalho dos fotógrafos do DIÁRIO DO PARÁ.
.
.
(Adriana Pereira, Diário Online)

Sem comentários: