Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Alberto Korda - Conhecido Desconhecido

Alberto Korda

Um olhar comandado pelo coração

por MARINA MARQUES - Diário de Notícias 2009.12.02
.
Um olhar comandado pelo coração
.
200 fotografias mostram que o trabalho de um dos maiores cronistas da Revolução Cubana vai muito para além da obra até agora conhecida.
.
"Isto é importante", avisa Diana Díaz, chamando a atenção para um momento do documentário que complementa a exposição de fotografia do seu pai, Alberto Korda. "O que o meu papá vai dizer a seguir mostra a forma como ele estava na vida e encarava a fotografia", explica com urgência para partilhar o momento. "Só consegues ver com o coração. O que é essencial é invisível à vista", afirma Korda, numa entrevista gravada quatro meses antes da sua morte, em Maio de 2001. A máxima pertence ao escritor francês Antoine de Saint Exupery e é retirada de O Pequeno Príncipe "e normalmente era seguida ou antecedida de um outro conselho para os fotógrafos: 'Esquece as máquinas, esquece as lentes, esquece isso tudo. Com qualquer máquina barata consegues captar a melhor fotografia", adianta Diana.
.
A exposição abre hoje e às 15.00 Diana Díaz e Cristina Vives, comissária da mostra, guiam uma visita pelas 200 fotografias de Korda em exibição na Cordoaria Nacional, em Lisboa até 31 de Janeiro.
.
Uma tela com a imagem de Che é o cartão de visita da exposição Korda - Conhecido Desconhecido e Cristina Vives avisa que o título não é apenas uma brincadeira de palavras. "Aqui temos fotografias inéditas que mostram como Korda construía a imagem do líder cubano, o seu amor à beleza feminina e resulta de uma pesquisa minuciosa de entre mais de 50 mil fotogramas", explica.
.
Fotografias de moda - a sua grande paixão e à qual, ironicamente, teve de renunciar por causa da Revolução, que apoiava e sempre defendeu -, do povo, dos líderes políticos em momentos privados e fotografias subaquáticas, às quais se dedicou depois de 1968 - "o seu refúgio", explica Vives - compõem a exposição.
.
Cristina Vives realça que os negativos investigados correspondem apenas a "um arquivo, daqueles cinzentos de metal, com quatro gavetas, onde estava o seu trabalho de dez anos como fotógrafo oficial de Fidel". "Mais de 90% do seu trabalho desapareceu quando o estúdio foi confiscado, em 1968", adianta.
.
"Korda ficou magoado com a forma como o estúdio foi confiscado, através de uma intervenção policial. Isso deixou-o triste. E viu como um mal necessário da implantação em Cuba dos ideias socialistas o facto de terem confiscado o seu trabalho", revela José A. Figueiroa, amigo de Korda desde 1964.
.
.
O lado desconhecido do fotógrafo de “Che”
.
Inserido em 02-12-2009 20:06 - Rádio Renascensa



A exposição de fotografias "Korda Conhecido Desconhecido" está patente ao público até 31 de Janeiro de 2010, na Cordoaria Nacional, em Lisboa.

Alberto Korda foi o autor da foto de Ernesto “Che” Guevera, captada em 1960, o segundo retrato mais reproduzido do mundo, só ultrapassado pela “Gioconda” de Leonardo Da Vinci.
.
Esse é o Korda “conhecido”, o autor de um “instante de sorte”, como ele disse um dia. Na Cordoaria Nacional, em Lisboa,  para além do fotógrafo que documentou a Revolução Cubana, há um “Korda desconhecido” para descobrir, que inclui fotografias de moda, mulheres e paisagens.
.
“Korda – Conhecido Desconhecido”, organizada pela Casa da América Latina e Câmara de Lisboa mostra 200 fotografias captadas entre 1956 e 1968, a maioria das quais inéditas.
.
A exposição visa libertar Alberto Diaz Gutierrez (1928-2001), conhecido como Alberto Korda devido ao nome do estúdio que montou em Havana nos anos 1950, “do peso de uma fotografia”.
.
Cristina Vives, comissária da exposição, explica, em comunicado, que estas imagens “percorrem a História, sendo aqui excluídas, intencionalmente, aquelas que, de tão conhecidas, se tornaram num lugar-comum ao falar da sua obra”. A mostra recorda que Korda foi um fotógrafo com obra diversificada, alguém que expôs nas principais galerias americanas e europeias.
.
Diana Diaz, filha e herdeira do artista, avançou à Lusa que fotografias de Korda desconhecidas do grande público poderão ser motivo de novas exposições. Objectivo: resgatar do peso político a obra do fotógrafo cubano.
.
Apesar de os negativos dos estúdios Korda terem sido confiscados em Março de 1968 depois de Fidel Castro ter anunciado a “Ofensiva Revolucionária”, a que se sucedeu o arresto de todos os negócios privados, Diana Diaz diz que continua a encontrar imagens do pai que são desconhecidas do grande público.
.
Hoje, em estreia mundial, é exibido o documentário “Simplesmente Korda”, com argumento e realização do cubano Roberto Chile, a partir de uma entrevista gravada em Janeiro de 2001. O documentário será projectado diariamente às 16h00.
.
.
.
.

Sem comentários: