Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Fotografia digital «matou estética clássica»

 

quinta-feira, 19 de Agosto de 2010 | 13:45
   
.
Fotografia digital «matou estética clássica», diz perito

O diretor do Centro de Artes Visuais (CAV) de Coimbra, Albano Silva Pereira, defende que a tecnologia digital trouxe «novas potencialidades» à fotografia, mas reconhece que «veio matar a estética da fotografia clássica».
.
«Tenho uma visão extremamente positiva sobre estes novos suportes, que trouxeram uma potencialidade imensa de utilização», declarou o fotógrafo, a propósito do Dia Mundial da Fotografia, que é assinalado esta quinta-feira. 
.
O mundo da fotografia, nas suas diferentes áreas (arte, imprensa, ciência, publicidade e documentação, entre outras), «teve uma mutação bastante grande de há dez anos para cá, com a passagem do analógico para o digital». «O digital veio alterar toda a materialidade da fotografia», afirmou Albano da Silva Pereira, vincando que «só a capacidade de armazenagem deste suporte é hoje enorme». 
.
O diretor do CAV estima que «entre 50 e 70% dos artistas contemporâneos» da fotografia aderiram já ao digital e ele próprio teve a primeira máquina digital no início dos anos 90 do século passado. «Mais de 99% do papel acabou», numa altura em que «o digital permite grandes formatos», referiu. 
.
No entanto, na fotografia enquanto arte, perdura «um grande mercado arqueológico ou vintage das grandes obras». «Há uma componente química na fotografia clássica que está a desaparecer», reiterou Albano da Silva Pereira. 
.
O artista recordou que a produção fotográfica segundo as técnicas antigas implicava o manuseamento de substâncias químicas «extremamente venenosas e poluentes», outra das desvantagens em comparação com o digital. «Esta revolução do digital veio matar a estética da fotografia analógica», salientou. 
.
Para o diretor do CAV, «a estética da fotografia alterou-se e os mercados também». «O mercado das galerias de arte contemporânea absorveu o mercado da fotografia», acentuou Albano da Silva Pereira. 
.
No Centro de Artes Visuais dirigido pelo fotógrafo, em Coimbra, pode ser apreciada, até 26 de Setembro, a exposição de fotografia «Imaginário da Paisagem», que integra obras da coleção de imagens do Banco Espírito Santo, que a ministra da Cultura, Gabriela Canavilhas, visitou no início deste mês. Em Abril, o CAV já tinha inaugurado uma exposição de Jean-François Pirson, que retrata as errâncias do fotógrafo belga por vários locais do mundo. 
.
Diário Digital / Lusa  
.
.


Sem comentários: