Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 19 de julho de 2016

No 1º aniversário do João, no parque da comenda


* Victor Nogueira

A maré está baixa e o leito da Ribeira da Ajuda é um campo de pedras e algumas pequenas lagunas ligadas por pouco mais que um fio de água. Alguns visitantes, como  nós, merendam em torno das mesas e bancos de pedra, "churrascando" nos "fogareiros". As crianças correm e brincam e jogam por entre as sombras. À beira-mar alguns para-sóis de veraneantes que se bronzeiam ao sol ou  se banham nas águas paradas levemente onduladas. A tarde está quente mas ao cair do  dia a brisa refresca e torna-se mesmo algo desagradável. A tarde para a garotada é uma festa e para  o ano talvez o João - o ai Jesus da família - já saiba apagar as velas sem ajuda. Este ano foi ainda o Francisco que no bolo do irmão diligente e cuidadosamente colocou a de aniversário do caçula.


a ribeira da Ajuda na maré-baixa











complexo romano arqueológico da Comenda













a praia e o Palácio da Comenda, obra do arqº Raúl Lino



o complexo turístico na Península de Tróia



central termo-eléctrica de Setúbal





o leito da ribeira da Ajuda





o parque de merendas









a festa

Sem comentários: