Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

quarta-feira, 13 de julho de 2016

no centro histórico de paço de arcos - 1997 / 98

* Victor Nogueira




fotos victor nogueira - paço de arcos 01 em 1997.09.03 - 

o prédio da padaria, foi reconstruído e nele já não figuram o letreiro "Rola" nem o anúncio do estabelecimento Porto Salvo, Lda, onde se vendiam "vinhos finos, comuns, engarrafados e licores, águas minerais, pastelaria, manteigas e queijos, tabacos" com o "telefone _4304_" O edifício azulejado com uma placa da "Tranquilidade" (Seguradora) na Rua Costa Pinto ainda existe. O estabelecimento em baixo no mesmo prédio acima referido é uma padaria onde frequentemente comprava pão no tempo em que ficava em casa da minha tia avó, Esperança Luís,  na avenida conde s. januário


fotos victor nogueira - paço de arcos 02 em 1998.01.xx

Os nocturnos são respectivamente do edifício onde funcionava a Mercearia Porto Salvo Lda (em cima à esquerda e ao meio). Na foto à esquerda, na Rua dos Fornos [de cal] estava a Mercearia Aveirense e ao lado uma barbearia, salvo erro o "Salão Azul", já decadente na altura em que lá fui cortar o cabelo. O barbeiro já era velhote e levou uma eternidade para cortar-mo, tão vagaroso era, ripostando-me que o serviço perfeito e bem executado exigia ... tempo. O azulejo em cima e à esquerda figurava na fachada duma pensão que conheci também já decadente numa das vezes em que lá fiquei hospedado e em cujo r/c era o quartel da Associação Humanitária dos Bombeiros de Paço de Arcos, O edifício foi remodelado mas o "azulejo" perdeu-se.

Em obras de reconstrução, à direita e em baixo, está o edifício do antigo cinema Chaplin, onde assisti a muitos filmes, mas dele apenas resta a fachada. Em baixo e ao centro suponho que sejam as traseiras do edifício onde funcionam ainda a Leitaria Marginal e a Tabacaria Dany e onde era também a Livraria/Papelaria Dany, entretanto encerrada.



obras no antigo cinema Chaplin

O dia está desagradável no jardim: ventoso e fresco. Ontem o tempo estava estival, dizem as minhas notas. Os carros passam velozmente ali na Marginal e o Tejo é azul. As crianças correm e brincam pelas áleas e vêm-se muitos triciclos e bicicletazinhas. A esplanada  está cheia de gente que conversa. Além à esquerda vejo o barracão feio do   cinema da vila [o Chaplin]: apenas três sessões semanais no verão - terças, sábados e domingos. ([1]) (MCG - 1972.08.10)




[1] - Este cinema, entretanto transformado em pardeeiro, foi demolido em 1998.



janela na rua costa pinto, em edifício já demolido



rua da vista alegre (?)


beco do moreira


trazeiras do edifício da rua costa pinto 195 visto do beco do moreira, com a chaminé da antiga padaria, hoje Padaria / Pastelaria Apapol   




rua costa pinto cerca do nº 148, onde foi o quartel da Associação Humanitária dos Bombeiros de Paço de Arcos





no edifício destes azulejos funciona a Casa Franca, de pronto-a-vestir, onde outrora comprava vestuário


Capela do Senhor Jesus dos Navegantes



rua costa pinto nº 120 - na porta da direita - onde actualmente é a "Raquel, Cabeleireiro" -  ficava outra barbearia, com 2 barbeiros, um dos quais idoso e também muito vagaroso. Por detrás vêm-se os edifícios J. Pimenta, no Largo da estação ferroviária (Largo Leonor Faria Gomes). Para lá e à direita da esquina entrevê-se o edifício da "Casa da Avó", vizinho do Chafariz da Praça da Republica 


rua costa pinto, onde era a Pastelaria Estrela Porto Salvo Lda e hoje a Padaria / Pastelaria Apapol   


Neste recanto na rua Costa Pinto nº 111 ficava a Casa dos Cacetes Bonvalot onde muitas vezes fui lanchar, só ou acompanhado.As especialidades em doçaria eram os "cacetes de Paço de Arcos" e os "mimosos". Calcula-se que os "cacetes" tenham origem francesa, tal como o proprietário da Casa Bonvalot, que o lançou por volta de 1890. Em 1926 e 1934 a marca foi registada pelo novo proprietário, Manuel Pinhanços como um exclusivo da Casa dos Cacetes.

rua fonte de maio, nos arrabaldes da antiga vila, perto do caminho do mocho


sobre Paço de Arcos noutros tempos ver 


A vida é um pass(e)ar sem retorno ! 

Sem comentários: