Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 14 de julho de 2017

Águas em Setúbal e Azeitão - 01 - Setúbal

* Victor Nogueira

Águas em Setúbal ? De que águas falamos ? Do vasto estuário de Rio  Sado considerado uma das mais belas baías do Mundo ? Das ribeiras que neles desaguam ou desaguavam, como as da Ajuda, de S. Francisco, do Paraíso (ou do Livramento, hoje encabada), de Palhais ? Do aqueduto que partindo de Alferrara abastecia a Vila de Setúbal ? Dos fontanários ou chafarizes de Setúbal e de Azeitão ? De noras e alcatruzes ?




Estuário do Rio Sado


(maré cheia)


(maré vazia)


(foz, vista do Palácio  da Comenda)

Ribeira da Ajuda (Comenda - Serra da Arrábida)


Ribeira do Paraíso (actualmente encanada) - foto Américo Ribeiro (?)


Ribeira do Paraíso (actualmente encanada) - foto Américo Ribeiro (?)


Ribeira do Paraíso (actualmente encanada) - foto Américo Ribeiro (?)




Mãe de água do Aqueduto de Setúbal ou dos Arcos, em Alferrara




Troço do Aqueduto no Campo dos Arcos


Convento de Jesus (claustro)





galeões do século XVII





antiga Fonte do Sapal, no Largo Teófilo Braga, antigo Largo da Anunciada
Anteriormente esteve colocado no  Largo do Sapal, actual Praça de Bocage
Mandado construir pelo Senado da Câmara da Vila de Setúbal em 1697.  Presume-se que seja da autoria de  Francisco da Silva Tinoco, arquitecto régio até 1699. 



Fonte Nova, no antigo Largo da Fonte Nova, actual Praça Machado dos Santos
 Esta fonte data do século XVI sendo abastecida por uma nascente situada no Outeiro da Saúde que servia também o Recolhimento de Nossa Senhora da Soledade. Sofreu as primeiras obras no século XVI por ordem do rei D. Sebastião, com fundos provenientes da população. A traça actual é  da reconstrução nos finais do séc. XVIII,





Fonte de Palhais ou Chafariz de S. Bernardo (Praça do Quebedo)
Em 1772, o Marquês de Pombal terá dado ordem à Câmara de Setúbal para pagar a despesa respeitante à construção do chafariz e respetiva canalização. A obra foi dirigida pelo o coronel de engenharia José Bruno de Cabedo, mas desconhece-se o “grande mestre do cinzel” responsável pelas bicas em forma de “expressivas carrancas” presentes no conjunto. 


Poço (reconstruido) do Concelho, no Largo homónimo






Poço das Fontaínhas na Ladeira do Poço ds Fontaínhas
Em Setúbal, o arrabalde das Fontaínhas ficou a dever o seu nome às numerosas nascentes de água ou fontes, próximas do rio, tendo algumas delas dado origem aos poços públicos ainda aí existentes. 



Chafariz na Ladeira do Poço das Fontainhas, erguido pela Câmara Municipal  em 1911.



Fonte Luminosa ou do Centenário (Avenida Luísa Todi)
A Fonte do Centenário ou Fonte Luminosa foi inaugurada em 1960 ano do primeiro centenário da elevação da Vila de Setúbal a cidade.cidade, que nesse ano se celebrava. O grupo alegórico que se observa no centro da fonte foi colocado em 12 de junho de 1971, representada cada uma das três estátuas o Mar, a Terra e a Poesia. É uma obra do escultor portuense Arlindo Rocha. 


Nora na Rua Tenente Aviador Carlos Alves


(em obras)



Depósito / Estação Elevatória da Belavista (Avenida  Belo Horizonte)


Lago do Parque do Bonfim


Lago do Parque Verde da Algodeia


"Ninfa de Bocage" (1988), escultura de Charles Correia, na Avenida Luísa Todi / Praça do Bocage, frente a um espelho de água


VER 

Águas em Setúbal e Azeitão - 02 - a toponímia



Sem comentários: