Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

domingo, 2 de maio de 2010

Lisboa Modernista e Moderna, 1930-40 a 2000 (José M. Fernandes)

Clicar na hiperligação para ver o slide show



LISBOA MODERNISTA:1930 - 1940
Com a afirmação do Estado Novo, regime autoritário iniciado em 1926 e institucionalizado desde 1930, inicia-se uma nova fase da cidade, com forte investimento das infra-estruturas modernas,
.
nos equipamentos e no planeamento e urbanização estruturada da urbe. Só então Lisboa entra  decisivamente no Século XX. Na década de 1930 (e parte da de 40) pode falar-se de uma "Lisboa do Estado Novo", assente na chamada "Política de Obras Públicas" levada a cabo pelo ministro e presidente da câmara Duarte Pacheco – com os primeiros Planos de Conjunto, os Novos Bairros
e uma arquitectura Modernista e Art Deco, inovadora e internacionalista. 
.
LISBOA DO PORTUGUÊS SUAVE:1940 - 1950
Com o desenrolar da II Guerra Mundial, e o tempo seguinte da "Guerra Fria", o Regime político de Salazar resiste e persiste, mas em termos culturais e urbano-arquitectónicos vai progressivamente enquistar-se e fechar-se em métodos de planeamento e formas arquitectónicas do passado, tradicionalistas, retrógradas. 
.
Lisboa exprime, mais do que qualquer cidade portuguesa, esta imagem de fechamento e "tristeza de fado" – e serve então, contraditoriamente "provinciana e imperial", de exemplo para muitas outras, de Norte a Sul, dos Açores e Madeira a Luanda e Macau. 
.
Afirma-se uma "Lisboa Oficial", das fachadas neo-clássicas e neo-barrocas – servida por toda a panóplia da arquitectura neo-tradicionalista e reaccionária, desde os telhados em coruchéu, a imitar, nostálgicos, as igrejinhas da província rural, até à esfera armilar nos torreões, símbolo do Império quase perdido. 
.
Mas em paralelo, e sobretudo a partir da segunda metade dos anos 1950, a par de um certo "espírito de desanuviamento" mundial, vai crescer a possibilidade de uma "Lisboa "inovadora",apoiada pela Câmara mais esclarecida, servida por um urbanismo e arquitectura de transição, entre o tradicional e o moderno, criando novos bairros e espaços de lazer em parques e jardins.
José Manuel Fernandes



Sem comentários: