Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

segunda-feira, 10 de maio de 2010

World Press Photo em Lisboa

2010-05-07

ELSA PEREIRA
.
São as melhores, entre as melhores, imagens captadas por fotojornalistas durante o ano passado. E eis que as fotografias premiadas estão, a partir de hoje, expostas ao público no Museu da Electricidade, em Lisboa. Um retrato do planeta para despertar consciências.
.
A sala é ampla. Suficientemente vasta para deixar respirar as fotografias que acolhe. Mais do que o óbvio, do que é acessível aos olhos, importa nelas reter os signos que escondem. A mostra do World Press Photo 2010, o mais prestigiante dos certames, que reconhece o trabalho levado a cabo pelos fotojornalistas à escala mundial, estará patente na cidade alfacinha até ao dia 23 de Maio.
.
O júri do certame atribuiu galardões compartimentados em dez categorias distintas, abarcando assim, 62 fotógrafos de 22 nacionalidades. Mas as fotografias eleitas, que perfazem um total de 167, não se circunscreverão à capital. Naquela que é uma iniciativa da revista Visão em parceria com Fundação EDP, a exposição itinerante passará pelo Funchal em Junho, Portimão em Julho, e por fim, pela Maia, em Novembro.
.
E não se destina apenas a profissionais, ou a aficcionados de fotografia. Fornece antes ferramentas a todos para um exercício de rememoração, para um passar em revista dos principais acontecimentos do ano que tenham marcado a agenda planetária.
.
Como não poderia deixar de ser, os conflitos, sobretudo os resultantes de protestos de rua, que fizeram jorrar sangue, constituem dos principais protagonistas das imagens. Há mesmo uma que, metáforas à parte, foca o rosto de um jovem iraniano, entrosado num cenário bélico, como se derramasse lágrimas vermelhas.
.
E é justamente sobre os embates em Teerão que versa a fotografia vencedora da edição de 2010 do World Press Photo, pertencente a um free-lancer italiano. As críticas de que foi objecto por facções puristas da fotografia foram refutadas pelo comissário holandês da exposição Jurre Janssen.
.
"De facto não é a típica foto icónica", diz. "Foi tirada por um fotógrafo de 29 anos que estivera preso três dias e proibido de circular na capital do Irão", conta em jeito de contextualização do momento em que a máquina foi disparada. Sozinho, Pietro Masturzo perpetuou, então um episódio deveras simbólico. Mulheres, que naquele país não gozam de liberdade, fazem ecoar o seu grito de revolta, curiosamente, o mesmo usado numa revolução em 1979.
.
"É como música. Demasiado alta não se percebe a letra, mas se baixarmos o som, aí se apreende o seu verdadeiro significado", salienta o holandês. Foi portanto um rasgo de silêncio poético que garantiu a esta imagem a distinção máxima. Quanto às acusações da alegada escassez de movimento, responde: "Não vejo que esse seja um critério. "Ela levanta dúvidas, provoca questões e não dá respostas". A história por detrás exige, pois, que se leia nas entrelinhas.
.
E Jurren é justamente a favor do misticismo das imagens e da sua opacidade. A vencedora não é a sua fotografia favorita. Elege outras para o pódio pessoal. Uma delas espelha uma espécie de "conto de fadas de terror", outra, um aparentemente simples retrato de uma criança destituída de expressão.
.
.


Galeria de Fotos

Premiados do World Press Photo expostos em Lisboa

O Museu da Electricidade, em Lisboa, vai ter em exposição, até dia 23 de Maio, as imagens premiadas na 53ª edição do World Press Photo

17:13 Quinta-feira, 6 de Mai de 2010
As imagens premiadas na 53ª edição do World Press Photo estão, a partir desta quinta-feira, em exposição no Museu da Electricidade (Av. Brasília), até 23 Maio. A exposição está aberta todos os dias das 10h às 18h (excepto aos sábados, quando encerra às 20h)
O fotógrafo italiano Pietro Masturzo foi o vencedor do World Press Photo 2009.
A Foto do Ano 2009 mostra mulheres a gritar do terraço de um prédio em Teerão no dia 24 de Junho, durante os protestos que se seguiram à polémica reeleição de Mahmoud Ahmadinejad como presidente do Irão.
O júri premiou os trabalhos de 63 fotógrafos de 23 nacionalidades em dez categorias. As imagens vencedoras foram escolhidas entre as mais de 100 mil inscritas por quase seis mil fotógrafos, um recorde do concurso.
A foto vencedora do prémio máximo "mostra o começo de algo, o início de uma grande história", disse a presidente do júri, a sueca de origem turca Ayperi Karabuda, em declarações publicadas no site do concurso.
Masturzo receberá o prémio durante uma cerimónia que acontecerá no dia 2 de Maio em Amesterdão, na Holanda, assim como um prémio monetário no valor de dez mil euros e equipamento de fotografia digital de última geração.
VEJA TODAS AS FOTOS PREMIADAS NO SITE DO WORLD PRESS PHOTO

Sem comentários: