Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

segunda-feira, 19 de abril de 2010

NOUS N’IRONS PLUS À LA MINE - LES DERNIERS MINEURS DE CHARBON

Não iremos mais à mina

Exposição de fotografias «VISA POUR L’IMAGE»
NOUS N’IRONS PLUS À LA MINE - LES DERNIERS MINEURS DE CHARBON
(Não iremos mais à mina - Os últimos mineiros de carvão)

18 de maio - 5 de junho 2010
Estação Cabo Branco - Ciência Cultura e Arte
Entrada Franca


O percurso de Jacques Grison é atípico. Nasceu em 1958, em Verdun, terra emblemática de sofrimento e de reclusão nas trincheiras da primeira Guerra Mundial. Jacques Grison começa seus estudos científicos antes de entrar para o Conservatório de Teatro de Nancy.
.
Desse período, mantém um gosto acentuado pela pesquisa e a lógica científica, com nuances de fascinação pelas emoções humanas que se aprende a controlar ou a dissimular. É o que o leva a mudar e a tornar-se educador especializado em um hospital psiquiátrico, local onde se encontra a dor, o irracional e a violência de sentimentos. O Ministério da Cultura e da Comunicação considera particularmente interessante propor-lhe um projeto sobre o último dia de trabalho dos jovens na minas de Lorraine, de onde é originário.
Grison conhece perfeitamente não só as tradições, os costumes e os ritos, mas também o companheirismo, as superstições e os perigos desse mundo fechado. Relata, com precisão e cumplicidade, esse último dia desde a aurora em todo o seu esplendor até o momento em que a lâmpada dos mineiros se apagará para sempre.
.
Esse trabalho surpreende pela potência da cor, pelo jogo de profundidade; vigilância, gestos contidos, economia de recursos, incríveis turbilhões de cores e longas pausas. Jacques Grison foi confrontado a todas as dificuldades ligadas a um trabalho embaixo da terra e em um espaço confinado.
Descreve cada episódio desta última descida com o pudor e a reverência que devemos àqueles que jamais voltarão da mina.

VISA POUR L’ IMAGE
.
Criado durante os anos 80, em Perpignan, o festival «Visa pour l’ image» dedica-se, todos os anos, aos fatos atuais do fotojornalismo através do mundo, apresentando os grandes acontecimentos sociais e políticos vistos pelos fotógrafos, com interesse específico na estética denominada na França «O Novo Documentário».
.
Fotografias realizadas com aparelhos tradicionais ou digitais, o resultado pontual de uma pesquisa aprofundada por repórteres e artistas, toda a evolução da imprensa que levou a uma profunda transformação da profissão para finalmente propor, na forma e no conteúdo, temas atuais, diferentes dos que são oferecidos pela televisão.
.
www.visapourlimage.com
.
CONTECE FLORIANÓPOLIS
Acontece 
Florianópolis Site Map
EXPOSIÇÃO | BRDE apresenta festival francês de fotojornalismo - 
Arte: Divulgação
   
FLORIANÓPOLIS EXPOSIÇÃO
BRDE apresenta festival francês de fotojornalismo
06.08.09 :: Giuliano Mendes | Sortimentos.com
 
Na celebração do Ano da França no Brasil, o Espaço Cultural Governador
Celso Ramos - BRDE (Avenida Hercílio Luz, 617, Centro), em parceria com
a Aliança Francesa de Florianópolis, traz à Florianópolis duas mostras do festival
francês de fotojornalismo Visa pour L'Image. As séries “Juventude Dourada”,
de Marie-Paule Nègre e “Não iremos mais à mina – os últimos mineiros de carvão”,
de Jacques Grison, apresentam temas contemporâneos, norteados pela estética
francesa denominada “Novo Documentário”. A abertura foi na segunda-feira (10-08).

O festival Visa pour L'Image, criado nos anos 80 na cidade de Perpignan, na França,
dedica-se, todos os anos a registrar os grandes acontecimentos do fotojornalismo
mundial, através das lentes dos fotógrafos participantes. O Ministério da Cultura
e da Comunicação daquele país acompanha o festival, e juntamente com
a programação, oferece uma série de propostas fotográficas. Marie-Paule Nègre
e Jacques Grison fazem parte desta nova geração selecionada pelo Ministério,
que realizam seus trabalhos com um olhar diferente na forma e conteúdo.




Não iremos mais à mina:

Os últimos mineiros de carvão surpreendem pela potência da cor e pelo jogo
de profundidade. Descreve cada episódio desta última descida com o pudor
e a reverência que devemos àqueles que jamais voltarão da mina. Juventude
Dourada analisa e observa o cotidiano da juventude francesa em capítulos
como baile de debutantes, reuniões no campo e eventos mundanos, questionando
o luxo e as tradições fora de moda e tentando compreender esse mundo fechado
sobre si mesmo. O evento é gratuito e fica aberto até 28 de agosto, de segunda
à sexta-feira, das 9h às 21h.

Mais informações: (48) 3221-8100

Festival francês “Visa Pour L´Image” ganha espaço em Porto Alegre

© Foto de Jacques Grison. A última mina de carvão de Moselle, 2004. Da série “Não Iremos Mais à Mina - Os Últimos Mineiros de Carvão”.
 http://imagesvisions.blogspot.com/2009/10/festival-frances-visa-pour-limage-ganha.html
.

Mars 2004, la dernière mine de charbon de Moselle fermait ses portes. Avec elle, tout un monde s’évanouissait : un monde fort, héroïque, chargé de drames, dans lequel la littérature et le cinéma ont largement puisé. Avant que les molettes des chevalements ne s’immobilisent, Jacques Grison a voulu témoigner des derniers mois de vie des Seigneurs de la mine. Pendant deux ans, il a accompagné les gueules noires de Moselle-Est par 1250 mètres de fond et réalisé une trentaine de descentes dans les puits, un privilège qui n’avait jamais été accordé, jusque-là, à un étranger à la mine. Il a partagé leur vie quotidienne : dans la cité, au jour ou au fond, sur le carreau ou en taille. Dès la cordée de 5h50, piqueur, about, rippeur, boute-feu, haveur, porion, traceur ou lampiste, tous lui ont permis d’être là, parmi eux, où l’on creuse, où l’on boise, où l’on rippe, où l’on rabassene, Avec ses photos, il nous fait sentir l’ angoisse de la descente au fond, et la solidarité entre mineurs de tous horizons. Prouesse technique tout autant qu’humaine, les conditions de prises de vues dans la mine ne permettant pas d’utiliser de cellule ou d’éclairage quelconque, ni même de changer d’optique. Né à Verdun en 1958, Jacques Grison s’affirme d’abord comme photographe spécialiste du domaine de la santé. Une série de reportages, «Signes de Vie», «Soutenir, combattre, vivre», «Lycée, égalité, faternité» témoigne de son attachement au monde difficile des handicapés. En 1998, il entame un travail de mémoire sur sa région natale. Ce sera d’abord «Verdun, 30 000 jous plus tard», avec lequel il tente de montrer les cicatrices du paysage martyrisé de sa ville, puis, de 2001à 2004, «Les derniers seigneurs du charbon»: «Par respect et par gratitude pour les générations de mineurs qui ont laissé au fond une part de leur santé et parfois leur vie, j’ai souhaité réaliser un travail de mémoire qui, je l’espère, leur ressemble. Quelques photographies qui m’autoriseront peut-être à leur dire à mon tour Glück auf » Une trentaine de ces photographies, dont certaines déjà présentées à Visa pour L’Image à Perpignan en 2003 seront exposées à la Cosmosgalerie du 10 Novembre 2005 au 3 Janvier 2006. Le 9 Novembre 2005, soir du vernissage, Jacques Grison dédicacera son livre « Mineurs - Les derniers Seigneurs du Charbon» à paraître chez Flammarion en Novembre 2005. Au plaisir de se retrouver au jour ! Jacques Grison est membre de l’agence Rapho 



photographie.com : 2005-11-09

Jacques Grison
 .

Mine et mineurs

 - Légende : Nous n'irons plus à la mine. Les derniers mineurs de charbon en France
. Moselle-Est. référence : GRJ0202442 © : Jacques Grison.
.
.
 

Sem comentários: