Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Rui Mendes, um fotógrafo de rua a registar o momento

autoria Rui Mendes

// data 08/01/2018 - 19:22





Quando Rui Mendes emigrou para Paris, em 1971, a fotografia ainda não fazia parte da vida dele. A fugir à Guerra Colonial, foi para França ter com os pais, em busca de uma vida melhor. E lá encontrou o sonho da imagem. Sem nunca se tornar profissional, fez milhares de fotografias. Em Paris, no Porto, nas viagens entre as duas cidades. Quando regressou definitivamente, em 1984, arrumou os negativos numa gaveta, pensando sempre que aquilo que fazia "não interessava a ninguém". Os filhos tentavam contrariá-lo. Mas foi Gracja Zegarowicz, polaca de 26 anos, namorada do filho Vasco, quem as resgatou finalmente do esquecimento. Agora, há uma conta de Instagram a levantar o véu a esta história. E um livro e uma exposição em construção. Lê o artigo completo

http://p3.publico.pt/cultura/livros/25294/rui-mendes-um-fotografo-de-rua-registar-o-momento?

Sem comentários: