Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

El Reloj - António Prieto


.
.

El Reloj

Antonio Prieto

Composição: Roberto Cantoral
.
Reloj no marques las horas,
porque voy a enloquecer,
ella se irá para siempre,
cuando amanezca otra vez.
.
Nomas nos queda esta noche,
para vivir nuestro amor
y su tic-tac me recuerda,
mi irremediable dolor.
.
Reloj detén tu camino,
porque mi vida se apaga,
ella es la estrella que alumbra mi ser,
yo sin su amor no soy nada.
.
Detén el tiempo en tus manos,
hace esta noche perpetua,
para que nunca se vaya de mí,
para que nunca amanezca.
.
Nomas nos queda esta noche,
para vivir nuestro amor
y su tic-tac me recuerda,
mi irremediable dolor.
.
Detén el tiempo en tus manos,
hace esta noche perpetua,
para que nunca se vaya de mí,
para que nunca amanezca.
Para que nunca se vaya de mí,
para que nunca amanezca.
Para que nunca se vaya de mí,
para que nunca amanezca.
.
.
http://letras.terra.com.br/antonio-prieto/1631210/
.
.

Sem comentários: