Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Em abertura, sul-africanos faturam pintando rostos e tirando fotos


11 de junho de 2010 08h47 atualizado às 09h41

  Foto: Terra
Rostos pintados são comuns na entrada do Soccer City, em Johannesburgo
Foto: Terra


Celso Paiva
Direto de Johannesburgo
Com um número esperado de 84 mil torcedores para a abertura e o primeiro jogo da Copa do Mundo, alguns trabalhadores sul-africanos tentam lucrar como podem no Soccer City, horas antes da partida. Em uma das entradas principais de público, era possível ver vários comerciantes vendendo todo o tipo de produto. 
.
Um dos vendedores lucrava com a venda de fotos instantâneas. Com uma câmera fotográfica digital pequena em uma mão e uma impressora portátil de imagens na outra, ele fazia imagens como se fossem cartões postais da frente do Soccer City, para os torcedores levarem como lembrança. 
.
A procura estava sendo consideravelmente alta, já que o fotógrafo amador cobrava apenas 20 rands (cerca de R$ 5) por cada imagem. "Vocês brasileiros não conheciam isso? Sempre faço isso aqui nos jogos na África do Sul. Vou levar essa ideia para o Brasil", brincou o comerciante. 
.
Outro sul-africano também estava faturando bem alto com a sua arte de pintar os rostos dos torcedores que chegavam ao Soccer City. Com tintas das cores do México e África do Sul, ele não parava de fazer bandeiras nas faces dos fãs das duas equipes. 
.
"Faturo um dinheiro e ainda faço minha arte, mostrando o orgulho das pessoas em apoiar a África do Sul e o México", afirmou o artista, que cobrava apenas 10 rands (cerca de R$ 2,50) para pintar um lado do rosto dos espectadores. 
.
O que não se viu ao redor do estádio foram vendedores de vuvuzela e bandeiras, objetos que durante a Copa das Confederações, no ano passado, tinham alta procura da maioria do público. Apesar de não serem comercializados perto do Soccer City, as vuvuzelas puderam ser vistas com frequência na entrada da torcida. De todos os tamanhos e personalizadas com as bandeiras dos dois países, elas prometem fazer muito barulho durante o jogo de abertura da Copa de 2010. 
.
.
http://esportes.terra.com.br/futebol/copa/2010/noticias/0,,OI4486507-EI14416,00-Em+abertura+sulafricanos+faturam+pintando+rostos+e+tirando+fotos.html
.
.

Sem comentários: