Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Xie Qianyun, fotógrafo retratista


Xie Qianyun, fotógrafo retratista 2009-09-21 11:15:42 cri (China Radio Internartional)

Xie Qianyun trabalha há 47 anos no Estúdio Fotográfico da China, o mais famoso em Beijing e em todo o país, e dedicou sua vida à fotografia. Neste programa, vamos conhecê-lo melhor.

Nascido em uma família de classe baixa em Beijing, Xie Qianyun tem sete irmãos. Para sustentar a família, após graduar-se na escola secundária, ele começou a trabalhar no Estúdio Fotográfico da China como estagiário em setembro de 1962.

Seu primeiro trabalho oficial no estúdio foi o de reparar fotografias, que exigia muita paciência e concentração. O chefe, a quem ele se refere como mestre, percebeu que ele era talentoso e gostava de tirar fotos, então o enviou para cortar negativos e lhe disse que depois que terminasse, poderia aprender com os fotógrafos do estúdio.

"O mestre me disse que eu podia aprender a fotografar, então eu sempre fazia hora extra para terminar o trabalho do dia seguinte na noite anterior. E assim eu tinha o dia inteiro para aprender com os fotógrafos do estúdio. Naquela época tínhamos diversas celebridades como clientes, e os fotógrafos usavam técnicas mais avançadas para retratá-los. Por isso eu me sentava num canto do estúdio e os observava ajustando a luz, a cadeira e também a postura dos clientes. À noite, depois que todos já tinham saído do estúdio, eu imitava os fotógrafos e praticava sozinho."

Pouco a pouco o mestre foi descobrindo que Xie era dedicado e profissional, e passou a lhe dar rolos de filme para praticar. Finalmente as fotos tiradas por Xie foram reconhecidas pelo mestre.

"Um vez fotografei um policial. O mestre viu e gostou. Ele ampliou o negativo para revelar em tamanho maior e a colocou no estúdio. Naquela altura, a mostra do Estúdio de Fotos da China era sobre uma paisagem especial de Wangfujing, mas o meu retrato sempre atraía a atenção do público. Depois de dar cor ao retrato, minha obra também foi inserida na mostra."

No fim de 1978 a China iniciou a reforma e abertura do país. Neste estúdio, Xie Qianyun também sentiu mudanças essenciais, principalmente no número de clientes.

"Foram grande mudanças. Antigamente vestíamos roupas azuis, cinzentas ou brancas e as pessoas não usavam jóias além da aliança de casamento. Agora os jovens vestem roupas modernas e coloridas, além de jóias e os mais variados acessórios. As pessoas não tinham o costume de tirar muitas fotos de casamento, enquanto hoje, uma única série inclui centenas de fotos. E quando são fotografadas, as noivas se maquiam bastante e trocam diversas vezes de vestido, de estilo antigo até o moderno, ocidental e nacional."

Nos últimos anos, muitos chineses que abriram estúdios de fotografia manifestaram interesse em contratar o Sr. Xie e chegaram a oferecer salários altíssimos, mas ele rejeitou pois aprendeu suas técnicas no Estúdio de Fotos da China e quer continuar dedicando-se a ele.

Hoje, com renome nacional, Xie é o único fotógrafo de nível e empregado modelo do país. Ele é responsável pelos retratos de vários políticos, artistas, estrelas do esporte e celebridades, e conquistou diversos prêmios. Alheio a tudo isso, Xie está feliz em ser uma pessoa comum e ainda procura entender melhor sua profissão.

"Todos buscam a beleza. Os fotógrafos precisam ser capazes de observar para distinguir rapidamente o melhor ângulo de um cliente e conhecer os diferentes usos de uma fotografia. Um fotógrafo não é somente um artista, mas também um diretor. Mesmo que esteja de mau humor, ao entrar no estúdio ele tem que se concentrar e esquecer de tudo. Cada foto é um teste de técnica e capacidade. Usando a luz como seu pincel, eles precisam mostrar o aspecto mais fascinante do cliente."

Xie Qianyun nunca parou de observar a vida, aprendeu das obras de outros fotógrafos e procurou inspirações no uso da luz e das cores em outras formas de arte, como cinema, televisão e revistas. De acordo com ele, tudo ao seu redor pode ser captado através de uma câmera. Xie não anda bem de saúde, mas quando fotografa ganha força. Ele acredita que sem paixão fotógrafos não conseguem bons resultados, e ele sempre mantém esse sentimento vivo pois tem profunda amizade por seus clientes.

"Quando tirei fotos em Zhuozhou estava doente. No dia seguinte, uma senhora se sentou à porta do estúdio e disse que queria falar comigo. Os funcionários explicaram que eu não conseguiria fotografar naquele dia, mas ela disse que não queria ser fotografada. Ela sabia que eu estava doente e queria me curar. Muitos outros clientes também me presentearam com frutas, calendários, alimentos…Eles são como minha família."

Ao longo dos anos, Xue e seus clientes estabeleceram uma amizade duradoura. Nas ruas de Beijing, sempre encontra aqueles que ainda se lembram dele. Um médico que começou a ser fotografado no estúdio de Xue quando tinha apenas três meses, lhe pediu para tirar fotos a cada seis meses até seu casamento. Hoje, o médico trouxe seu filho recém-nascido para o estúdio.

Depois de tirar retratos de diversas celebridades, Xie revelou que seu coração sempre estará com as pessoas comuns, porque esse é o tesouro mais precioso da fotografia, segundo os ensinamentos de seu mestre Yao Jingcai.

"O mestre nunca me elogiou na minha presença. Ele me ensinou com seus próprios atos. Por exemplo, quando fotografou clientes cujos sapatos estavam sujos, ele pegou seu próprio lenço para limpá-los. Na verdade foi um gesto simples, mas muitas pessoas não conseguiriam fazer isso. Eu o vi e pensei na grandeza do seu coração. Ao encontrá-lo novamente tempos depois perguntei se eu havia perdido seu respeito. E o mestre me respondeu que não. Imagine, somente com esta frase já me sinto muito mais do que satisfeito."

.

.


Sem comentários: