Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sábado, 29 de abril de 2017

Uma cidade flutuante em Lisboa

* Victor Nogueira





fotos victor nogueira - Lisboa - Uma cidade flutuante, navio de cruzeiro em Santa Apolónia. Em 1870 Júlio Verne escreveu o seu romance "Uma cidade flutuante", que retrata o micro-cosmos da sociedade burguesa do sec XIX como se pelos Campos Elísios passeassem. Não gostaria de fazer uma digressão num navio como o da fotografia, muitos dos quais ancoram em Lisboa despejando carradas de turistas em rebanho. Na verdade parece-me que um barco deste género é como um gigantesco e artificial centro comercial, as chamadas "catedrais do consumo", donde a natureza está artificial e assepticamente arredada.


Doca junto à Estação fluvial Sul e Sueste





Veleiro - encoberto -  no Cais do Jardim do Tabaco


Fotos em 2017.04.23








Navio de cruzeiro na Doca do Jardim do Tabaco

Fotos em 2017.04.05

Sem comentários: