Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

domingo, 16 de outubro de 2016

Morreu o fotógrafo Louis Stettner, o Doisneau americano



Trabalhou como repórter fotográfico para as revistas TimeLifeParis Match e National Geographic. Tinha 93 anos.

Uma das fotografias de Louis Stettner que estava na exposição do Pompidou LOUIS STETTNER CORTESIA DO CENTRE POMPIDOU

O fotógrafo Louis Stettner, morreu aos 93 anos, em Paris, divulgou o Centro Georges Pompidou que lhe dedicou uma exposição no Verão passado. Chamavam-lhe o "Doisneau americano", pelas imagens que captou, em Paris e em Nova Iorque, na euforia do pós-guerra. 
“Entre França e os Estados Unidos, com um pé em cada continente, Louis Stettner sempre soube exprimir, através de uma fotografia sensível e empenhada, a vida quotidiana dos seus semelhantes”, sublinhou o presidente do Centro Pompidou, Serge Lasvignes, em comunicado.
Nascido em Nova Iorque no dia 7 de Novembro de 1922, Louis Stettner escolheu viver na capital francesa a partir dos anos 1950 e foi principalmente nestas duas cidades que construiu a sua obra captando cenas da vida quotidiana, os habitantes e as ruas, com o olhar poético que o caracterizava.
Trabalhou como repórter fotográfico para as revistas TimeLifeParis MatchFortune e National Geographic e estudou no Instituto de Altos Estudos Cinematográficos de 1947 a 1949.  Com uma ligação muito forte a França, Stettner montou pouco depois do fim da Segunda Guerra Mundial uma exposição em Nova Iorque para divulgar os trabalhos de Brassaï, Doisneau, Boubat e Izis.
 O Centro Pompidou mostrou de 15 de Junho a 12 de Setembro uma centena das suas obras na Galeria de fotografias e o artista quis que o centro fosse "o lugar de referência" para a sua obra e por isso lhe doou ainda ano, um conjunto considerável de 104 fotografias do seu acervo.
“Ele tinha uma criatividade transbordante”, conta Clément Chéroux, comissário dessa exposição, à AFP. "Escrevia, desenhava, esculpia e fotografava...Pouco antes da exposição inaugurar no Pompidou, ele andava a fotografar nos Alpilles com um equipamento que pesava uns doze quilos!”.
https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia/morreu-louis-stettner-o-fotografo-que-se-inspirou-nas-ruas-de-paris-e-de-nova-iorque-1747611

http://www.loustettner.com/



Sem comentários: