Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

entre labruge e o mindelo

* Victor Nogueira


A meio da tarde, na companhia do Fiesta II, automobilei-me para Labruge, acompanhado dum mapa e de anotações sobre o que deveria procurar e ver. Em Vila Chã crianças brincavam no mini-parque infantil junto ao Largo da Lota, que estava pejado de automóveis. (1) Não estando disposto a executar intricadas manobras para nele estacionar, prossegui sem nova sessão fotográfica. Finalmente, a freguesia de Labruge, que se revelou um flop.

Nesta os caminhos são vicinais, estreitos e tortuosos. onde mal cabem dois automóveis lado a lado. Parece-me que à medida que  vamos rumando para sul desde o Rio Ave, a caminho de Matosinhos, mais desgraciosas e inóspitas são as povoações ou lugares. Os caminhos estreitos quase parecem veredas, obrigando a uma condução com atenção redobrada, tanto mais quanto à boa moda nortenha há automobilistas que conduzem por cima de toda a folha, sem precauções e respeito por terceiros.

No lugar de Moreiró placas vão indicando o caminho até ao Castro de Sampaio, de que falei em nota anterior. E assim, por caminhos estreitíssimos, pela rua de Sampaio,  chego à praia de Labruge, pejada de veículos estacionados  de ambos os lados, deixando uma tira estreita onde mal cabe um carro, obrigando a manobras complicadas sempre que dois se cruzam. Um passadiço corre ao longo do areal, onde se passeiam peões e transitam apressadas bicicletas. No termo, num descampado, consigo fazer inversão de marcha e desisto de passear na praia ou de localizar o Castro, a única. povoação castreja que se situa à beira-mar.

Tendo eu saído desta barafunda, um transeunte esclarece-me onde fica a estação arqueológica, que nada assinala, mas nem sequer tento voltar ao beco: deveria ter virado para sul ao chegar junto ao bar onde a estrada bifurcava, e não ter prosseguido pelo troço que  inflectia para norte, paralelo à costa.  O Google Maps indica-me que no termo desse beco que inflectia para sul situa-se uma penedia, mas só lá tornarei em setembro, esvaziadas as praias da sua população estival.

Saturado e frustrado desisto de mais visitas pela freguesia e regresso ao Mindelo, para um iced-tea com torradas e doce de ovos, desta feita numa confeitaria junto à Igreja de S. Pedro dos Navegantes. Mais repousado e reconfortado, rumo à Vila Corina ou Belo Horizonte,  na Rua do Covelo, para nova sessão fotográfica, numa tarde soalheira, estival, ao contrário da invernal e cinzenta de há meses atrás (2). O meu vizinho Alcino já me contou a história desse palacete hoje em degradação, mas não encontro as notas que teria tomado em 2014. Nos milheirais em volta o milho já se encontra seco e com as maçarocas formadas. ao contrário do que sucede noutros campos das cercanias.



---------



Labruge






Mindelo

Vila Corina ou Belo Horizonte










Sem comentários: