Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 18 de abril de 2008

Preto e branco

.

Quinta-feira, Abril 12, 2007

.

Retirado do blog Alentejanando

.

A tecnologia da imagem ultrapassou tudo o que pensávamos possível. Hoje, fotografa-se, envia-se e liga-se de seguida para perguntar se gostou da imagem, tudo isto realizado por uma pequena maquineta que, não há muito tempo, desconseguíamos de futurar. Uma sucessão vertiginosa de actos que, há coisa de meio século, implicava um exército de meios, gente e muito tempo. Não nego que gosto da imagem colorida. Como o poderia negar se a vida é a cores. Mas continuo com a velha paixão pela fotografia a preto e branco. Querem o quê, maniqueísmos estéticos de gajo usado! De entre os muitos fotógrafos que objectivaram o Alentejo, tenho uma predilecção especial pelo preto e branco da Ana Esquível..
.
.

Sem comentários: