Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Museu Rafael Bordalo Pinheiro, nas Caldas da Rainha

* Victor Nogueira

Rafael Bordalo Pinheiro (1846 / 1905), um autor multifacetado cuja obra está ficou registada em numerosos livros e na imprensa. Foi precursor do cartaz artístico em Portugal, desenhador, aguarelista, ilustrador, decorador, caricaturista político e social, jornalista, e ceramista. Foi também precursor da banda desenhada em Portugal, destacando-se Apontamentos de Rafael Bordalo Pinheiro sobre a Picaresca Viagem do Imperador de Rasilb pela Europa, /(1872) e M. J. ou a História Tétrica duma Empresa Lírica, no ano seguinte. Dois anos depois  criou a figura do Zé Povinho, publicada n'A Lanterna Mágica. Neste ano fixou-se no Brasil onde colaborou em alguns jornais, simultaneamente enviando a sua colaboração para Lisboa, Regressado a Portugal em 1879, lençou O António Maria (1879-1885;1891-1898). A partir de 1885 começou a trabalhar barro, iniciando  a produção de louça artística na Fábrica de Faianças das Caldas da Rainha, vila já com tradições na cerâmica  artesanal. A sua obra neste  campo caracteriza-se também por uma temática naturalista e muito popular que Bordalo representou de forma singular.

A sua obra gráfica enche os jornais satíricos que dirigiu e para as quais desenhou centenas e centenas de desenhos, com destaque para a A Lanterna Mágica (1875), António Maria (1879-1885), Álbum das Glórias (1880-1883), Pontos nos ii (1885-1891) ou A Paródia (1900-1906), revelando a sua enorme capacidade de fazer rir o público, castigando com humor os diversos poderes instituídos, mostrando um especial apreço pelo Zé Povinho.


A sua obra está exposta essencialmente em dois museus: o Museu Raphael Bordallo Pinheiro, em Lisboa, e a Casa Museu San Raphael - Museu da fábrica Bordallo Pinheiro, nas Caldas da Rainha.

Muitas das placas toponímicas desta última cidade são inspiradas na obra de Bordalo Pinheiro.



Figuras por ele criadas, distinguindo-se o Zé Povinho e a Maria Paciência (2001.02.13)





fotos em 2001.02.13
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Placa toponímica nas Caldas da Rainha


Sem comentários: