Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

nascer do sol em setúbal

* Victor Nogueira











foto victor nogueira - nascer do sol em setúbal em 2016.08.12, visto do alto da torre no cimo duma encosta 

O tempo está de brasa, seco, áspero e rugoso; as gotículas de suor são um pântano ensopando a roupa que se nos cola à pele  e apenas depois do entardecer sopra uma leve brisa ali na varanda, o meu pequeno jardim suspenso não de Babilónia mas da Lanchonette.

Babilónia quase desfeita está a minha biblioteca, os livros praticamente todos arrumados. Mais um fim de semana e já podem aparecer, o que deve ser difícil pois - em tempo estival - de nevoeiro não são as alvoradas, por mais que de cinza estejam certos corações que se doem nas redes sociais, ao estilo inFaceLock.

O coração é na realidade um músculo insensível, mero encadear automatizado e mecânico de sístoles e diástoles. Não é nele mas  no cérebro que moram as sensações e as emoções  por isso o cérebro é por vezes um encenador de verbos metafóricos mais ou menos eufóricos  (des)alinhando-se em carreirinhas de palavras bordejando a chama, de alfas sem ómega, com a devida cautela por causa dos mil olhos e das cem  mil bocas em redor,  da vizinhança ou de ascendentes e descendentes. Estilo Águas de Março .(1)

Em Luanda, na Praia do Bispo, a maravilha era o rápido pôr do sol mergulhando nas águas atlânticas. Em Setúbal, que outrora me parecia como que Luanda, a maravlha não é o céu estrelado numa vila alentejana, Sousel ou Beringel,  mas o lento nascer do sol   como que saído  do Estuário  do Sado, uma por vezes dantesca bola de fogo diluindo-se na claridade de mais um dia. 

Ao contrário do que muitas e muitos pensam, assisto e fotografo muitos nascer-do-sol, esteja o "céu" límpido ou coberto de nuvens esparsas. Hoje, ao assomar à varanda da sala, o horizonte estava vermelho, ígneo, com o sol começando a romper por cima da poluição. Tentei filmá-lo mas .... o espaço no cartão de memória era   insuficiente. Fica apenas estas fotos.

 

TOM JOBIM & MIUCHA | Águas de Março 


E pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um caco de vidro, é a vida, é o sol
É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol
É peroba do campo, o nó da madeira
Caingá candeia, é o Matita-Pereira

É madeira de vento, tombo da ribanceira
É o mistério profundo, é o queira ou não queira
É o vento ventando, é o fim da ladeira
É a viga, é o vão, festa da cumeeira
É a chuva chovendo, é conversa ribeira
Das águas de março, é o fim da canseira
É o pé, é o chão, é a marcha estradeira
Passarinho na mão, pedra de atiradeira

É uma ave no céu, é uma ave no chão
É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão
É o fundo do poço, é o fim do caminho
No rosto um desgosto, é um pouco sozinho

É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto
É um pingo pingando, é uma conta, é um conto
É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando
É a luz da manha, é o tijolo chegando
É a lenha, é o dia, é o fim da picada
É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada
É o projeto da casa, é o corpo na cama
É o carro enguiçado, é a lama, é a lama

É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um resto de mato na luz da manhã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto do toco, é um pouco sozinho
É uma cobra, é um pau, é João, é José
É um espinho na mão, é um corte no pé
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã
É um belo horizonte, é uma febre terçã
São as águas de março fechando o verão
É a promessa de vida no teu coração

É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho
É pau, é pedra, é o fim do caminho
É um resto de toco, é um pouco sozinho

Pau, pedra, fim do caminho
Resto de toco, pouco sozinho
Pau, pedra, fim do caminho
Resto de toco, pouco sozinho

Pedra, caminho
Pouco sozinho
Pedra, caminho
Pouco sozinho
Pedra, caminho
É o toco...

Sem comentários: