Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

sábado, 29 de março de 2008

Morreu Philip Jones Griffiths

Morreu Philip Jones Griffiths, o fotógrafo que odiava guerra

Morreu aos 72 anos, nesta quarta-feira (26/3), o fotógrafo galês Philip Jones Griffiths, conhecido mundialmente pela influência do seu trabalho em relação à Guerra do Vietnã.

Seu trabalho mais conhecido foi o livro "Vietnam Inc.", uma detalhada produção sobre o conflito no país asiático. O livro se tornou um clássico entre fotógrafos e intelectuais e influenciou decididamente a luta pelo fim da guerra. Depois da sua publicação, Griffiths foi proibido de voltar ao Vietnã, tal foi o impacto da obra na opinião pública dos EUA.

Griffiths, considerado por alguns como um sociólogo visual, nasceu em 1936 no país de Gales. Sua carreira como fotojornalista começou no britânico "The Guardian". Em 1961 foi como freelancer para o "The Observer". Suas primeiras fotografias de guerra foram na Argélia em 1962. Em 1966 começou a fotografar a Guerra do Vietnã por cinco anos. Posteriormente cobriu a Guerra do Yom Kippur de 1973 e trabalhou no Camboja entre 1973 e 1975. Em 1980 mudou-se para Nova York, quando se tornou presidente da agência Magnum, cargo no qual ficou por cinco anos.

Multimídia: Conheça alguns trabalhos de Philip Jones Griffiths

in

naperiferiadoimperio.blogspot


.
.

Sem comentários: