Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

quarta-feira, 14 de maio de 2008

Onde está a verdade ? Ou a Hora da Verdade?


.


.

Fahrenheit 451

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Nota: Para outros significados de Fahrenheit 451, ver Fahrenheit 451 (desambiguação).
.

Farenheit 451, é um romance distópico de ficção científica soft, escrito por Ray Bradbury publicado pela primeira vez em 1953. O conceito inicial do livro começou em 1947 com a short story “Bright Phoenix” (que só seria publicada na Magazine of Fantasy and Science Fiction em 1963). A short story original foi reformulada na novela The Fireman, e publicada na edição de Fevereiro de 1951 da Galaxy Science Fiction. A novela também teve seus capítulos publicados em Março, Abril e Maio de 1954 em edições da revista Playboy. O livro é uma crítica ao que Bradbury viu como uma crescente e disfuncional sociedade americana, escrito nos anos iniciais da Guerra Fria.

.

O romance apresenta um futuro onde todos os livros são proibidos, opiniões próprias são consideradas anti-sociais e hedonistas, e o pensamento crítico é suprimido. O personagem central Guy Montag, trabalha como “bombeiro”(o que, na história, significa “queimador de livro”). O número 451 refere-se a temperatura (em Fahrenheit) a qual o papel ou o livro incendeia. Uma versão do filme foi lançado em 1966, e se prevê uma segunda versão do filme para 2008. No mínimo duas dramatizações foram transmitidas pela BBC Radio 4, ambas seguiram fielmente ao livro.

.

Através dos anos, o romance foi submetido à várias interpretações, primeiramente focadas na queima de livros pela supressão de idéias dissidentes. Bradbury havia declarado que o romance não trata de censura, ele declara que Fahrenheit 451 é uma história sobre como a televisão destrói o interesse na leitura.

Ray Bradbury declarou que todo o romance foi escrito nos porões da biblioteca Powell, localizada na Universidade da Califórnia em uma máquina de escrever alugada. A sua intenção original em escrever Fahrenheit 451 era mostrar seu grande amor por livros e bibliotecas. Ele freqüentemente se refere a Montag como uma alusão a ele mesmo.

.

Sinopse

Info Aviso: Este artigo ou seção contém revelações sobre o enredo (spoilers).
.

Fahrenheit é contado em um futuro inespecífico em uma América hedonista e anti- intelectual que perdeu totalmente o controle, recheada de ilegalidade nas ruas, de jovens jogando carros contra pessoas apenas por divertimento, ao bombeiro ajustando seu cão de caça mecânico para caçar vários animais em suas tocas, apenas pelo simples e grotesco prazer de assisti-los morrer. Qualquer um que é pego lendo livros é, no mínimo, confinado em um hospício. Enquanto os livros, eles, serão queimados. Os livros ilegais que são achados são principalmente obras famosas, como Whitman, Faulkner e outros. O protagonista, Guy Montag é um bombeiro que tem certeza que seu trabalho, queimar livros e da casa que os abrigam, e perseguir pessoas que os detém – é a coisa mais certa a se fazer. Ele se lembra que quando ele era pequeno, quando faltou luz e sua mãe acendeu uma vela, no escuro, a vela proporcionou uma luz estranha, mas a qual Montag sentiu-se seguro e confortável. Ele se tornou um bombeiro, assim como seu avô e seu pai.

.

Uma noite voltando de seu trabalho ele encontra sua nova vizinha, Clarisse McClellan, a qual seu livre pensamento e um espírito libertador fez ele questionar sua vida, seus ideais, e sua própria felicidade. Mais tarde é dito que Clarisse teria morrido em um acidente de carro.

.

Depois do encontro com Clarisse, ele volta pra casa e encontra sua esposa , Mildred, dormindo (em camas separadas) com um frasco vazio de pílulas ao seu lado. Ele liga para ajuda médica, e dois técnicos são mandados para sugar o sangue de Mildred com uma máquina e inserir um novo nela. O total descuido dos técnicos com Mildred faz Montag repensar a situação de sua atual sociedade.

.

Dias seguintes, precedendo à queima, enquanto revistava a casa repleta de livros de uma senhora muito velha, Montag acidentalmente lê uma linha de um de seus livros: “O tempo adormeceu sobre o sol da tarde”. Isso o incita a roubar o livro. A mulher que se recusa a deixar a casa e seus livros prefere riscar um fósforo e queimar junto com os livros, anteriormente embebidos em gasolina que eles despejaram, e agonizar na combustão. Isso perturba grandemente Montag, que se pergunta porque alguém se suicidaria por livros, que ao menos para ele eram inúteis.

.

Quando ele volta para casa, achando estar doente, obviamente perturbado com o suicido da mulher, pensativo, ele recebe a visita do seu chefe, Capitão Beatty, que lhe explica as importâncias sociais e políticas de seu emprego, ele diz que, a sociedade em sua procura pela felicidade, suprimiu a literatura por um ato de auto-censura e o governo meramente tirou vantagem disso. Beatty diz que eventualmente um bombeiro rouba um livro por curiosidade, mas se devolvido em 24 horas tudo ficaria bem. Mais tarde, Montag discute com sua mulher, sobre os livros, demonstrando seu crescente desgosto por ela e por sua sociedade.

.

Mais tarde é revelado que Montag escondeu dúzias de livros dentro do túnel do climatizador de sua casa, os quais ele tentava memorizar para preservar seu conteúdo, mas falhava porque as palavras simplesmente eram esquecidas de sua memória rapidamente. Ele então se lembra de um homem que ele encontrou uma vez: Faber, um professor de inglês. O qual começa a lhe ensinar sobre os livros, e, da sua importância acerca do esforço da literatura em tentar racionalizar a existência humana. Ele também dá à Montag uma escuta onde ele podem se comunicar com ele e ajudá-lo em suas atividades.

.

Montag retorna ao posto de bombeiros ,onde trabalha, e entrega a Beatty um livro. Durante um jogo de cartas, Beatty fala a Montag que sonhou com ele, o qual no sonho discutiam bravamente com argumentos literários. Ele também faz várias citações de livros mostrando um surpreendente conhecimento literário, para provar a Montag a confusão de mensagens que os livros podem apresentar. Então soa o alarme da companhia, avisando uma próxima casa a ser queimada. Ele teatralmente guia a equipe, e pára em frente a casa de Montag. Ele revela que sabia todo o tempo de seus livros, e ordena que ele queime sua casa. Montag vê Mildred, que delatou seu segredo, fugindo em um táxi. Com ordem de prisão, Montag queima os livros mas não contente, queima também os televisores e outras lembranças de suas vida passada. Quando Beatty descobre sobre a escuta de Faber, Montag põe fogo em Beatty, o matando, e em mais dois outros bombeiros, que por estes crimes logo é perseguido pelas autoridades.

.

Ele escapa para a casa de Faber, lá Faber lhe fala sobre algumas pessoas amantes de livros na zona rural da cidade. Montag então parte, se lavando no meio do caminho para não deixar vestígios para o cão-polícia, e corre rio abaixo onde encontra um grupo de homens velhos, que para a surpresa de Montag, memorizaram livros inteiros para serem passados oralmente até os livros serem permitidos novamente. Eles queimam os livros que lêem para não serem descobertos, conservando seu conteúdo palavra-por-palavra (e possivelmente outras interpretações) em suas mentes. O líder do grupo, Ganger, discursa sobre a legendária fênix e seu infinito ciclo de vida, morrendo nas chamas, e renascendo, acrescentando que a fênix tem alguma semelhança com a humanidade, constantemente cometendo erros, não aprendendo com o passado, entretanto o homem pode aprender ao contrário da condenada fênix.

.

A essa hora a guerra já começou, Montag vê jatos sobrevoando acima de sua cabeça para bombardear a cidade. A sua mulher Mildred está provavelmente morta, e Faber está fora da cidade para visitar um amigo que teria uma gráfica, para poderem no futuro imprimir alguns livros. Pela TV, fica subentendido que as outras cidades do país também estão entrando igualmente em colapso. É falado que as bombas seriam nucleares, o que torna uma ironia um mundo que persegue idéias queimando-as, acabar queimando a si mesmo. Aqui entende-se uma referência à Guerra Fria. No momento da explosão, o stress e a emoção de ver a cidade queimando faz Montag lembrar-se de uma passagem bíblica na hora.

.

O romance é encerrado com um chocante, mas leve tom otimista. É dito que a sociedade que Montag conheceu foi quase totalmente dizimada e uma nova teria ressurgido das cinzas. Entretanto o destino dela é desconhecido, mas é falado que as pessoas que liam livros,e antes viviam isoladas, aos poucos foram mostrando a outras pessoas, quem elas eram, de onde vieram e que, com o conhecimento, o que poderia ser feito para mudar o mundo.


Ver também

.

Sem comentários: