Escrevivendo e Photoandando por ali e por aqui

“O que a fotografia reproduz no infinito aconteceu apenas uma vez: ela repete mecanicamente o que não poderá nunca mais se repetir existencialmente”.

Roland Barthes

.

«Ao lermos uma novela ou uma história imaginamos as cenas, a paisagem, os personagens, dando a estes uma voz, uma imagem física. Por isso às vezes a transposição para o cinema revela-se-nos uma desilusão. Quando leio o que a Maria do Mar me escreve(u) surge perante mim a sua imagem neste ou naquele momento da nossa vida, uma pessoa simples, encantadora, gentil e delicada.»

Victor Nogueira

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

ermida de S.Sebastião em Azurara

* Victor Nogueira

No cruzamento da Rua da Junqueira com a de S. Sebastião, defronte a um juncal, parcialmente destelhada e sobranceira à estrada surge esta ermida cujo orago é S. Sebastião. Lateralmente, sobre o pórtico uma lápide escaqueirada recorda o nome dum benemérito e da sua doação para uma recuperação que não terá sido lograda, o que é confirmado por uma mulher que passa na rua, vinda das compras, numa tarde chuvosa.

A Ermida ou Capela de S. Sebastião situa-se numa elevação rochosa de onde se avista a foz do Ave, ali a dois passos. Aqui  se reuniam os pescadores azurarenses para verificarem o estado do mar e decidirem se iniciariam ou não a faina piscatória.

Embora o traçado indicie ser românica, os dois pórticos são góticos, sem "enfeites", embora mais trabalhado o lateral. Pelas estreitíssimas frinchas da porta principal entrevejo o que me parece ser um altar, na parte coberta por um telhado. As fotos foram tiradas em dias distintos: um pluvioso e cinzento, soalheiro o segundo


















Sem comentários: